Detectada substância radioativa em mulher de ex-espião

A esposa do ex-espião russo Alexander Litvinenko, morto dia 23 de novembro após envenenamento, teve a substância radioativa polônio-210 detectada em seu corpo, disse um amigo da família nesta sexta-feira."Ela está muito pouco contaminada", disse Alex Goldfarb à Associated Press. "Não há níveis perigosos, nenhum tratamento, nenhuma hospitalização".A contaminação por polônio-210, considerado raro e altamente restrito, foi a causa da morte de Litvinenko. O italiano especialista em segurança Mario Scaramella - que se encontrou com Litvinenko no dia (1º de novembro) que o ex-agente da KGB foi envenenado - também teve teste positivo com a mesma substância radioativa, disseram autoridades britânicas ainda nesta sexta-feira. Scaramella foi internado no University College Hospital de Londres após ter sido detectado com o polônio-210, disseram fontes policiais. Pat Troop, diretora-executiva da Agência de Proteção da Saúde, disse nesta tarde que um membro da família de Litvinenko havia sido exposto a uma "pequena quantidade" da substância, e não havia risco imediato. "É importante relembrar que a família do sr. Litvinenko teve estreito contato com ele durante o período que esteve doente e, apesar destes resultados, o nível de exposição que esta pessoa da família recebeu é uma pequena fração da dose letal recebida pelo próprio Litvinenko", disse Troop. Na East Sussex, sul da Inglaterra, a polícia e funcionários da saúde evacuaram e mais tarde reabriram o Ashdown Park Hotel e Country Club após detectar sinais de substâncias radioativas. Nenhum resultado de teste foi divulgado. O hotel - uma mansão de 75 hectares de campo - estava sendo examinada por equipes especialistas como parte de uma investigação sobre a morte de Litvinenko, segundo a polícia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.