Detectado nível alto de césio radioativo em vegetais em Tóquio

Canadá se junta a EUA e Hong Kong na lista de países que proibiram alimentos vindos de Fukushima

REUTERS

24 de março de 2011 | 12h07

Autoridades detectaram a presença de césio radioativo, em um nível 1,8 vez mais alto do que o padrão, em vegetais após ter sido feita uma análise em Tóquio, informou a agência de notícias Kyodo nesta quinta-feira, citando o governo metropolitano de Tóquio.

 

Veja também:

blog Twitter: Siga a correspondente Cláudia Trevisan, que está no Japão

especial Infográfico: Entenda o terremoto maiores tragédias dos últimos 50 anos

especial Especial: A crise nuclear japonesa

documento Relatos: envie textos, vídeos e fotos para portal@grupoestado.com.br

som Território Eldorado: Ouça relato do embaixador e de brasileiros no Japão

blog Arquivo Estado: Terremoto devastou Kobe em 1995

A contaminação por radiação foi detectada em vários vegetais provenientes da área próxima à usina nuclear atingida pelo terremoto e tsunami de 11 de março, mas esta foi a primeira vez que se detectou a contaminação em vegetais plantados na capital, 240 km ao sul da usina.

 

O Canadá anunciou na noite de ontem que intensificou as restrições impostas à importação de alimentos de áreas próximas do vazamento radioativo no Japão, disseram autoridades. O governo canadense restringirá a entrada de produtos lácteos, frutas e vegetais de quatro cidades japonesas, enquanto o pânico de contaminação radioativa se espalha ao redor do mundo.

 

"Tais produtos não serão autorizados a entrar no Canadá sem uma documentação aceitável certificando sua segurança", informou a Agência de Inspeção Alimentar do Canadá (CFIA, na sigla em inglês) em um comunicado.

 

Estados Unidos, Hong Kong, Austrália e Cingapura também barraram as importações de leite e vegetais, a França pediu à União Europeia (UE) que faça o mesmo e o Japão está testando a água do mar para medir o impacto do vazamento radioativo na vida marinha.

 

Tudo o que sabemos sobre:
JAPAONUCLEARCESIO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.