Detector facial não difere Bin Laden de Winona Ryder

Scanner do aeroporto de Manchester causa polêmica

Efe, LONDRES, O Estadao de S.Paulo

27 de abril de 2009 | 00h00

O s equipamentos para scanner facial que foram instalados no aeroporto de Manchester, Grã-Bretanha, seriam incapazes de distinguir entre o terrorista Osama Bin Laden e a atriz Winona Ryder. É o que afirma o jornal The Daily Telegraph, que viu um informe com ásperas críticas de um funcionário da segurança do aeroporto. Segundo ele, os aparelhos foram recalibrados a níveis muito baixos, que lhes impedem de cumprir sua finalidade. Essa moderna tecnologia deveria ajudar os funcionários da imigração a descobrir as pessoas que viajam com documentos falsos, mas o resultado é outro, segundo o jornal. O autor do informe qualifica de "inaceitável" o fato de os aparelhos não operarem com uma precisão de 100% e assinala que, com as mudanças, a margem de erro é de 70%. Segundo Rob Jenkins, especialista em reconhecimento facial da Universidade escocesa de Glasgow, se as máquinas deixam passar pessoas cujos rostos têm uma semelhança de apenas 30% com a fotografia que aparece no passaporte, o sistema é praticamente inútil. Utilizando software do aeroporto australiano de Sydney recalibrado para um índice de reconhecimento facial de 30%, o especialista escocês comprovou que as máquinas em questão não eram capazes de distinguir entre o terrorista mais procurado do mundo e Winona, ou entre o primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, e o ator Mel Gibson. Por enquanto, a tecnologia está sendo aplicada apenas aos passageiros britânicos e do restante da União Europeia que tomam voos considerados de "alto risco", mas, até o fim do ano, pretende-se ampliar seu emprego às demais pessoas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.