Detentos afegãos são transferidos depois de greve de fome

Os últimos 434 supostos membros do Taleban e da Al-Qaeda foram transferidos da mais famosa penitenciária do Afeganistão, depois de uma semana de greve de fome para protestar contra o fato de estarem detidos há mais de dois anos sem que nenhum acusação tenha sido apresentada contra eles, informaram agentes penitenciários afegãos.Escoltados por guardas, os prisioneiros foram amontoados em ônibus estacionados em frente à penitenciária de Shiberghan, famosa pelas condições medievais que levaram a denúncias por parte de grupos de defesa dos direitos humanos."Nós julgaremos todos eles. Aqueles que cometeram crimes graves serão condenados. Os responsáveis por delitos de menor gravidade serão libertados", disse o general Ibrahim, subdiretor do serviço nacional de prisões. Como muitos afegãos, ele tem apenas um nome. Ibrahim disse que a transferência foi providenciada depois da greve de fome, mas negou que os detentos tenham sofrido maus-tratos.A penitenciária de Shiberghan é controlada pelo senhor da guerra Abdul Rashid Dostum. Suas instalações já chegaram a abrigar quase 3.600 prisioneiros, mas a maioria foi libertada ou transferida nos últimos meses. Com a transferência de hoje, apenas 70 detentos continuam detidos em Shiberghan. Todos foram condenados por crimes considerados comuns e não têm vínculos "terroristas", prosseguiu Ibrahim.Não houve o envolvimento de militares americanos na transferência dos detentos. A maioria dos detentos foi transferida para a penitenciária de Pul-e-Charkhi, a leste de Cabul, concluiu Ibrahim.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.