Detentos costuram a boca para exigir melhores condições carcerárias

Mais de 1.200 detentos da Penitenciária Nova Esperança, em Colón, cerca de 80 quilômetros ao norte da capital do Panamá, fizeram uma greve de fome para apoiar 12 réus que costuraram a boca para exigir melhores condições na prisão. Os 12 que costuraram a boca exigiam, entre outras coisas, um melhor programa de reabilitação, mais rapidez no julgamento de recursos judiciais, permissões para trabalhar, acesso a medicamentos e um menor número de prisioneiros nas celas. A prisão de Colón, com capacidade para 1.092 detentos, abriga atualmente 1.322. Uma fonte do Sistema Penitenciário, ligado ao Ministério do Interior, disse que os detentos deram início à greve no período da manhã, e que as autoridades atenderam às reivindicações. O presidente da Fundação de Apoio ao Preso, Javier Justiniani, declarou que, embora o governo tenha assegurado que a greve na prisão de Colón terminou, ele recebeu informações de que o protesto seguirá nesta terça-feira, quando será realizada uma reunião entre os presos e as autoridades competentes.

Agencia Estado,

14 Março 2006 | 02h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.