Detentos de Guantánamo denunciam falta de acesso a água potável

Prisioneiro diz que guardas recusaram-se a dar água engarrafada a participantes da greve de fome

AE, Agência Estado

27 de março de 2013 | 13h01

GUANTÁNAMO - Os prisioneiros mantidos pelos Estados Unidos na carceragem de sua base naval na Baía de Guantánamo, Cuba, denunciaram nesta quarta-feira, 27, falta de acesso a água potável em meio a uma greve de fome que persiste e aparentemente aumenta.

De acordo com uma moção de emergência apresentada perante um tribunal federal em Washington, um prisioneiro iemenita diz que os guardas da prisão recusaram-se a fornecer água engarrafada a participantes da greve de fome e disseram aos detentos que bebessem de torneiras existentes nas celas. Ainda segundo a moção, a temperatura mantida na prisão é "extremamente fria".

Um porta-voz da prisão norte-americana negou a acusação. Segundo o capitão Robert Durand, os prisioneiros estão recebendo água engarrafada, mas afirmou que a água da torneira em Guantánamo é potável.

De acordo com o exército norte-americano, 31 prisioneiros estavam em greve de fome hoje. Na segunda-feira eram 28.

As informações são da Associated Press

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    EUAGuantánamogreve de fome

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.