Detidas 18 pessoas suspeitas de atentado na Tailândia

Um total de 18 militares e civis tailandeses foi detido e é interrogado nesta segunda-feira por supostas implicações nos atentados à bomba perpetrados na véspera do Ano Novo em Bangcoc, informou um alto comando do Exército da Tailândia. Os suspeitos, a maior parte membros do Exército e da Polícia Nacional, foram detidos este fim de semana em uma ampla operação levada a cabo em Bangcoc e em províncias próximas. "Estão sendo interrogados porque a investigação da Polícia aponta que todas essas pessoas podem saber algo sobre os atentados", afirmou o general Prayudh Janocha, chefe da região militar central. Nas oito explosões em cadeia de bombas de pouca potência, ocorridas em diferentes pontos de Bangcoc poucas horas antes da meia-noite, perderam a vida três tailandeses e cerca de outros 40 ficaram feridos, entre eles pelo menos sete estrangeiros. O general Sonthi Boonyaratglin, chefe do Conselho de Segurança Nacional e líder do golpe de Estado que em 19 de setembro depôs o primeiro-ministro Thaksin Shinawatra, não quis fornecer as identidades dos detidos, mas assinalou que eles eram vinculados a "grupos de oposição ao governo".Após o golpe de Estado, os militares nomearam um governo provisório e puseram à frente deste o general reformado Surayud Chulanont, membro do influente conselho de assessores do rei Bhumibol Adulyadej. O governo militar sugeriu que os atentados podem ter sido cometidos por grupos vinculados aos políticos que perderam o poder por causa do golpe de Estado. Do exílio, Shinawatra negou qualquer relação com os atentados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.