Detido suspeito de ataques de Londres

Zabi ul-Taifi foi preso com outros 6 militantes no noroeste do Paquistão

REUTERS E AFP, O Estadao de S.Paulo

22 de janeiro de 2009 | 00h00

As forças de segurança paquistanesas detiveram ontem sete militantes islâmicos, entre eles um saudita membro da rede Al-Qaeda e suspeito de participar dos atentados em Londres, em 7 de julho de 2005.O homem, identificado como Zabi ul-Taifi, foi preso com os outros militantes durante uma operação militar contra a casa de um refugiado afegão em Peshawar, noroeste do Paquistão, disse um funcionário do serviço de inteligência.Nos atentados de Londres, quatro extremistas islâmicos britânicos detonaram bombas em três trens do metrô e em um ônibus. Os ataques deixaram 56 mortos - entre eles os suicidas - e mais de 700 feridos. Os ataques foram similares aos de março de 2004 em Madri e um grupo ligado à Al-Qaeda, a Brigada Abu Hafs al-Masri, assumiu a autoria dos dois atentados. Os sete militantes também são suspeitos de ter cometido os recentes ataques contra caminhões que levavam suprimentos para as forças ocidentais no Afeganistão. Os atentados na Província da Fronteira Noroeste levaram os EUA e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) a assinar acordos com a Rússia e países da Ásia Central, criando outras rotas para o envio de suprimentos para o Afeganistão. A maior parte dos suprimentos era levada de caminhão através da Passagem de Khyber, perto de Peshawar, mas a região foi tomada por extremistas e o Paquistão fechou a rota duas vezes por causa dos atentados. O relacionamento entre o Paquistão - aliado-chave dos EUA em sua luta contra o terror - e o governo americano tem sido estremecido pela recusa de Washington em deter seus ataques com mísseis contra alvos extremistas nas áreas tribais, na fronteira com o Afeganistão. Acredita-se que o líder da rede Al-Qaeda, Osama bin Laden, e o do Taleban, mulá Omar, estão escondidos nas áreas tribais, região sobre a qual o governo paquistanês tem pouco controle.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.