Detidos 29 homossexuais em festa em Bangladesh

Homossexualidade é crime no país asiático

O Estado de S.Paulo

19 Maio 2017 | 03h35

DACCA - Pelo menos 29 homossexuais foram detidos por participar de uma festa clandestina de um grupo LGBT e consumir supostamente drogas ilegais em Bangladesh, onde a homossexualidade é delito e pode acarretar até em penas de prisão perpétua. 

"Foram presos por homossexualidade e consumir drogas ilegais", afirmou Jahangir Hossain Matabbar, comandante do Batalhão de Ações Rápidas (RAB), grupo de elite da polícia de Bangladesh que participou da ação contra o coletivo LGBT Keranigajn, em uma área nos arredores de Dacca, principal cidade do país.

Segundo Matabbar, a polícia havia recebido a informação de que em uma determinada data um grupo se reuniria ali para "consumir drogas e realizar atividades suspeitas", por isso foram ao local verificar.

Durant eo registro, a polícia encontrou "drogas e artigos sexuais como preservativos e lubrificantes", explicou o agente, afirmando que os participantes se reúnem ali de maneira periódica e se comunicavam entre eles por meio das redes sociais. Os ativistas foram interrogados pelas forças de segurança. 

 

Em Bangladesh, a homossexualidade é um delito e o Código Penal contempla até penas de prisão perpétua. Apesar de que, na prática, as demandas não prosperem nos tribuinais, a comunidade LGBT sofre contínuos casos de discriminação.

Em abril, dois dos principais ativistas do coletivo Roopbaan, foram assassinados com machadadas por membros de um grupo afiliado a um ramo da Al Qaeda. O grupo terrorista justificou os crimes dizendo que os dois eram "pioneiros na prática e promoção da homossexualidade em Bangladesh" desde 1998 e que em 2014 colaboraram na funadção do coletivo, que lançou uma revista online para a comunidade LGBT no país. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Bangladesh

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.