Detidos cinco suspeitos de terrorismo em basílica italiana

A polícia italiana deteve cinco pessoas - um italiano e quatro marroquinos - suspeitas de planejar um ataque contra a Basílica de São Petrônio de Bolonha, que alberga um polêmico afresco de Maomé, considerado "uma blasfêmia" pelos muçulmanos. De acordo com fontes judiciais, os cinco homens foram detidos, ontem à noite, por suposta "associação subversiva com finalidade de terrorismo". Eles foram cercados enquanto filmavam o interior da igreja. No vídeo apreendido, é possível escutar os detidos mencionando o líder da Al-Qaeda, Osama bin Laden, e fazendo comentários "estranhos". A polícia localizou as casas dos suspeitos, todos residentes de Pádua, e apreendeu diversos materiais (incluindo outros vídeos e fitas K7) em língua árabe. Os cinco estavam gravando imagens do exterior e do interior da basílica, que abriga em uma de suas capelas um afresco do século XV que representa Maomé no inferno, tal como o descreveu o poeta Dante Alighieri em sua mais famosa obra, "A Divina Comédia". Depois de examinar o conteúdo da gravação, tanto as imagens como o som das vozes, as suspeitas contra os homens ficaram mais concretas, disse uma fonte policial, que pediu anonimato. A Basílica de São Petrônio é considerada há muito tempo pelas autoridades italianas como um potencial alvo de ataques terrorista islâmicos devido exatamente à imagem de Maomé em seu interior, que foi pintada por Giovanni de Módena. A União de Muçulmanos da Itália já havia considerado a pintura "uma blasfêmia e uma obscenidade" - não apenas porque a representação de uma imagem humana é proibida pelo Islã, mas porque Maomé está pelado e no inferno - e pedido para que ela fosse retirada.

Agencia Estado,

20 Agosto 2002 | 15h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.