Detidos quase 2.000 militantes paquistaneses

Quase duas mil pessoas foram detidas no Paquistão desde o último fim de semana, depois de o presidente do país, general Pervez Musharraf, ter ordenado a repressão aos grupos extremistas islâmicos, disse nesta quarta-feira um funcionário do governo local. Mil novecentos e cinqüenta e sete pessoas estavam presas até ontem à noite, disse o porta-voz do Ministério do Interior do Paquistão, Abdur Rashid Khan. Do total, 852 foram detidos na província de Sind, que faz fronteira com a Índia a leste e a sul, disse o porta-voz. Segundo Khan, 954 dos presos pertencem ao grupo Sipah-i-Sahaba (Guardiões dos Amigos do Profeta), acusados de ataques contra muçulmanos xiitas no Paquistão.

Agencia Estado,

16 Janeiro 2002 | 15h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.