Menahem Kahana/Pool Photo via AP
Menahem Kahana/Pool Photo via AP

'Deus, olhe pelo Brasil', pede Bolsonaro em Muro das Lamentações

Ao todo, a comitiva do presidente e de Netanyahu esteve por menos de duas horas no local, e enfrentou chuva, frio e até granizo

Cristiano Dias, Enviado Especial a Jerusalém, O Estado de S.Paulo

02 de abril de 2019 | 05h00

Yitzhak Rabin, então comandante das Forças Armadas de Israel, descreveu a chegada de seus soldados ao  Muro das Lamentações como o episódio  mais emocionante da Guerra dos Seis Dias, em 1967. "Nunca houve e nunca haverá um momento como esse", disse. As preces dos judeus, segundo ele, poderiam ser ouvidas de novo, após 19 anos.

Desde então, o Muro das Lamentações entrou na lista de razões para palestinos e israelenses se estranharem. Por isso, a visita de segunda-feira, 1º, de Jair Bolsonaro, acompanhado do chefe de governo de Israel, teve peso religioso, mas também político. Ao todo, a comitiva esteve por menos de duas horas no local, enfrentou chuva, frio e até granizo.

Bolsonaro atrasou sua chegada para esperar o primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, que concedia uma coletiva de imprensa em seu gabinete -- ele está na reta final de campanha eleitoral e diariamente troca farpas com a oposição. 

Os dois chegaram juntos. As duas comitivas se esconderam da chuva debaixo de uma tenda montada pelo cerimonial do governo israelense. Quando saiu para rezar e depositar uma mensagem na parede -- "Deus, olhe pelo Brasil", segundo Bolsonaro --, não ficou mais do que dez minutos do lado de fora. Sempre ao seu lado, Netanyahu buscava as câmeras e tentava virar o brasileiro para que os fotógrafos tivessem um melhor ângulo.

Os jornalistas acompanharam a cerca de 20 metros, em um palco improvisado. Como sempre as mulheres, à direita, separadas dos homens por uma mureta e com a visão prejudicada. Para elas, foi designado um praticado alguns centímetros mais alto, o que não fazia muita diferença. Lá do alto, com seus 40 e poucos anos, Dorit mostrava quem manda. A chefe de imprensa de Netanyahu subia na cadeira e gesticulava, comandando aos gritos a equipe de seguranças do premiê -- todos homens. 

Na parte final da visita, as duas comitivas entraram em uma sinagoga construída recentemente nos subterrâneos do Muro das Lamentações. Bolsonaro ouviu as explicações de Netanyahu e dos rabinos sobre as tradições judaicas -- embora parecesse um pouco desatento. Depois que o presidente assinou o livro de visitantes, ministros e congressistas aproveitaram para tirar uma última selfie, e a comitiva voltou ao hotel King David.

 

A visita de Bolsonaro a Israel

Bolsonaro embarcou para Israel no último sábado, 30, com o objetivo de estreitar as relações entre o país e o Brasil. Lá, o presidente se deparou com um protesto do Greenpeace contra o desmatamento na Amazônia, em frente ao hotel no qual está hospedado. Ele também condecorou a brigada militar israelense que ajudou no resgate às vítimas de Brumadinho e prometeu decidir sobre uma embaixada brasileira no país até 2022

No domingo, 31, o presidente e a delegação brasileira encerraram o dia com um jantar regado a peixe, filé e vinhos. Bolsonaro deve ficar no país até a próxima quarta-feira, 3, quando embarca para Las Palmas e, de lá, volta para Brasília.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.