Dez anos depois do massacre, Ruanda terá Constituição

A Comissão Eleitoral Nacional de Ruanda informa que os resultados parciais do referendo sobre a nova Constituição do país indicam que mais de 90% dos eleitores apóiam a proposta de mudança. A proposta de Constituição tem o intuito de criar um ambiente político mais estável, evitando conflitos étnicos e episódios como o genocídio de mais de 800 mil tutsis e hurdus moderados, em 1994, orquestrado por extremistas da etnia hutu.Representantes da comissão disseram que a participação foi de mais de 98% do eleitorado ruandês ? quase 4 milhões de pessoas se cadastraram para o voto. Segundo a nova carta, o poder passa a ser obrigatoriamente compartilhado entre os diferentes partidos, com o primeiro-ministro e o presidente de partidos diferentes. Se a proposta for aprovada de fato, novas eleições parlamentares e presidenciais devem ser realizadas em julho.As informações são do site da BBC em português. Para ler o noticiário da BBC, que é parceira do estadao.com.br, clique aqui.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.