Dez mil monges protestam contra a Junta Militar birmanesa

Os monges iniciaram seus protestos devido à recusa do Governo a pedir desculpas pelos maus-tratos

EFE,

22 de setembro de 2007 | 06h32

Cerca de 10 mil monges budistas se manifestaram neste sábado, 22, em várias cidades birmanesas para exigir que o Governo peça desculpas pela agressão a vários bonzos no início do mês. O sexto dia de manifestações dos monges budistas birmaneses começou com uma concentração de cerca de 2 mil religiosos em frente ao pagode de Eintawyar, na cidade de Mandalay, segundo o site "Irrawady". Em seguida milhares de bonzos se reuniram em outros templos na antiga capital, Yangun. Os monges iniciaram seus protestos devido à recusa do Governo a pedir desculpas pelos maus-tratos sofridos no dia 5 de setembro pelos bonzos do mosteiro de Pakokku. Eles foram atacados por policiais antidistúrbios durante uma manifestação pacífica No dia seguinte, o Governo autorizou as forças de segurança a usar armas de fogo para dissolver as manifestações, que há mais de um mês se sucedem em diversas partes do país, e que começaram por causa da alta do preço dos combustíveis. Mais de 100 pessoas foram detidas desde que começaram os protestos.

Tudo o que sabemos sobre:
protestomongesjunta militar birmanesa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.