Dez mortos em atentado contra a polícia no Iraque

Cerca de 20 policiais estavam reunidos hoje na frente de um posto de polícia no subúrbio de Rahimawa, em Kirkuk, para troca de turno, quando um automóvel bomba explodiu, deixando pelo menos 10 mortos e 45 feridos, segundo o comandante do posto, coronel Adel Ibrahim.Assim que os policiais chegaram num comboio, o ?um carro civil seguiu-os e correu atrás do último carro do comboio e provocou a explosão?, contou o coronel Thamer Abdul-Masih, chefe das Instalações de Segurança da polícia. ?Quem quer que tenha feito isso, tinha estado espionando e conhecia os procedimentos da troca de turno?, ele disse.A explosão danificou bastante o posto e os prédios vizinhos, além de destruir vários automóveis. Os mortos e feridos foram levados ao Hospital al-Jumhuriya, segundo o tenente Abdul Salaam Zangana, chefe de segurança do hospital. Há informes de mais mortos levados a outros hospitais. Havia sangue espalhado por todo a entrada do posto e partes do carro bomba, incluindo a bomba, caíram na frente. Partes de um corpo, que se acredita pertença ao suicida, foram encontradas no telhado do prédio de dois andares do posto.Entre os mortos, que chegam pelo menos a dez, está o do delegado chefe do posto. Entre os feridos, há um estudante e quatro meninas de uma escola de 2º grau.O ataque foi o último de uma série de explosões suicidas contra forças de segurança iraquiana e iraquianos tidos como colaboradores das forças de ocupação americana, que já mataram mais de 300 pessoas este ano, a maioria iraquiana.Foi também o terceiro desde janeiro visando alvos curdos, que estão pressionando para manter essa região do norte do país sob seu controle, assim como milícias independentes, que dizem ser necessária para proteger sua autonomia de Bagdá.A explosão ocorre no momento que o secretário de Defesa dos EUA, Donald H. Rumsfeld faz uma breve visita a Bagdá, para encontrar-se com membros das novas forças de segurança iraquianas e dizer-lhes de como está impressionado com o progresso que eles têm feito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.