Dez palestinos morrem em choques com soldados de Israel

Dez palestinos morreram em dois choques com soldados israelenses ocorridos nesta quarta-feira na Cisjordânia. Trata-se do maior número de palestinos mortos em apenas um dia na região desde 2002. Entre os mortos, estariam pelo menos sete fugitivos armados e uma menina de 11 anos. Os choques ocorrem no início da festa do ano-novo judaico. Soldados israelenses impuseram rígidas restrições ao direito de ir e vir dos palestinos da Faixa de Gaza e da Cisjordânia durante o feriado. Os palestinos estão proibidos de entrar em Israel pelo menos até o fim do mês. Em Nablus, soldados israelenses cercaram um prédio onde fugitivos estavam escondidos, dando início a um tiroteio, disseram testemunhas. Cinco homens armados supostamente ligados às Brigadas dos Mártires de Al-Aqsa morreram. Uma menina de 11 anos que morava nas proximidades também foi morta no incidente, denunciou sua família. Um tio disse que a garota foi baleada perto do fim do tiroteio. O comandante da brigada israelense na região, identificado somente como coronel Yuval, alegou que suas forças não atiraram quando saíam, apesar de estarem sob fogo palestino, sugerindo que a menina poderia ter sido atingida por supostos atiradores palestinos. Em Jenin, soldados israelenses à paisana mataram quatro palestinos numa ação contra uma oficina mecânica. Segundo o Exército, seis fugitivos estavam no local. Quatro morreram e dois foram capturados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.