Evgenia Novozhenina/Reuters - 24/2/2022
Evgenia Novozhenina/Reuters - 24/2/2022

Mais de 1,7 mil manifestantes contra a guerra na Ucrânia são presos na Rússia

Prisões aconteceram em 51 cidades, informa organização não-governamental russa; protestos aconteceram mesmo depois das autoridades ameaçarem reprimir os manifestantes

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2022 | 15h25
Atualizado 25 de fevereiro de 2022 | 00h08

Mais de 1,7 mil pessoas foram presas na Rússia nesta quinta-feira, 24, em 51 cidades, durante protestos contra a invasão russa da Ucrânia, segundo informações do The New York Times e do OVD-Info, organização não-governamental russa. O ataque foi iniciado na madrugada pelo presidente russo, Vladimir Putin.

Protestos foram registrados em lugares como MoscouSão Petersburgo, a antiga capital imperial, e também na Sibéria. Mais cedo, as autoridades russas advertiram que iriam reprimir qualquer manifestação "não autorizada". Apesar dos avisos, milhares de russos foram à ruas cantando 'Não à guerra' e balançando bandeiras russas, segundo imagens vistas nas redes sociais.

"Fui detida ao sair de casa", escreveu Marina Litvinovich, uma ativista de Moscou, no Telegram depois de convocar os cidadãos russos para a manifestação por meio de um post no Facebook. "Vamos limpar essa bagunça nos próximos anos. Nem mesmo nós. Mas nossos filhos e netos", disse ela ao anunciar o protesto. "Tudo o que vemos é a agonia de um moribundo. Infelizmente, a Rússia está em agonia". Além dela, o diretor de teatro Yevgeny Berkovich também foi preso.

Em atos cautelosos - porém, incomuns -, estrelas pop russas, jornalistas, um comediante de televisão e um jogador de futebol se também opuseram ao confronto pela internet. Ivan Urgant, um dos comediantes de televisão mais famosos da Rússia, escreveu em sua conta no Instagram: "Medo e dor. NÃO À GUERRA".

Maxim Galkin, apresentador de televisão e cantor, disse: "Estou em contato com meus parentes e amigos da Ucrânia desde manhã! Não posso explicar em palavras o que sinto! Como isso é possível! Nenhuma guerra pode ser justificada! Não à guerra!". 

Mais discretas, outras celebridades russas postaram uma foto em preto e branco no Instagram para expressar oposição.

O regulador de telecomunicações da Rússia alertou as organizações de mídia nesta quinta para não divulgar o que descreveu como "informações falsas" sobre a enorme operação militar de Moscou contra a Ucrânia e ameaçou bloquear conteúdo ofensivo. O governo também informou que apenas as informações vindas de órgãos oficiais eram confiáveis. /REUTERS, THE NEW YORK TIMES, AFP E EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.