Dezenas de milhares protestam na capital da Albânia contra o premiê

Sali Berisha é acusado de corrupção; planeja uma demonstração de força neste fim de semana

Agência Estado

18 de fevereiro de 2011 | 17h54

Albaneses fizeram passeata em Tirana.

 

TIRANA - Dezenas de milhares de manifestantes contrários ao governo realizaram nesta sexta-feira, 18, uma manifestação em Tirana, capital da Albânia, quase um mês depois de quatro pessoas terem sido mortas durante um protesto similar. Os manifestantes agitavam bandeiras albanesas e faixas nas quais se lia "Berisha vá embora", uma referência ao primeiro-ministro Sali Berisha. Em outras estava escrito "Justiça" e "Queremos eleições antecipadas".

 

Um grupo entre 20 mil e 30 mil pessoas, segundo estimativas independentes - os organizadores disseram que eram 200 mil - participou de uma manifestação convocada pelo prefeito de Tirana, Edi Rama, do Partido Socialista. A marcha pela capital terminou na sede do governo, que estava cercada por dezenas de policiais. Berisha acusa Rama de tentar usar o protesto para iniciar um golpe, mas o líder opositor nega.

 

O governo nomeou um comitê parlamentar para investigar o que aconteceu durante a manifestação anterior, mas deputados da oposição se recusaram a cooperar. Quatro altos oficiais da Guarda Republicana Albanesa, acusados de envolvimento nas mortes, permanecerão detidos por um mês enquanto a promotoria investiga o caso. Os promotores também pediram aos líderes da oposição que testemunhem sobre os acontecimentos.

 

A atual crise polícia é a mais longa da Albânia desde a transição para a democracia. Os dois lados estão agora sob pressão internacional para que novas manifestações não se tornem violentas. O governo planeja uma demonstração de força neste fim de semana, quando seus partidários devem participar de um concerto organizado para comemorar o 20º aniversário da queda do ditador comunista Enver Hoxha. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
AlbâniapolíticaprotestosEuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.