Dezenas de mortos em ataque suicida no Paquistão

Carro com explosivos explodiu perto de uma parada de ônibus e um hotel na cidade de Kohat

Efe,

18 de setembro de 2009 | 05h33

Pelo menos quatorze pessoas morreram e várias mais ficaram feridas em um atentado suicida registrado nesta sexta-feira, 18, em um mercado do noroeste do Paquistão, segundo uma fonte citada pelo canal de televisão Dawn.

 

O ataque aconteceu na cidade de Kohat - na conflituosa Província da Fronteira Noroeste (NWFP) -, sendo que para o local se deslocaram várias equipes policiais e de socorro para socorrer as vitimas.

De acordo com testemunhas citadas pelo canal Geo TV, o suicida conduzia um carro carregado com explosivos que detonou junto a uma parada de ônibus situada próxima a um hotel, no mercado da zona de Kacchapakka.

 

Segundo várias fontes, o hotel e várias pequenas lojas desabaram por efeito da explosão, levando as autoridades a acreditar que haja mais vítimas soterradas pelos escombros.

 

"Não há nenhum número de vítimas definitivo - disse um policial de Kohat. Ainda estamos levando pessoas ao hospital". Geo estima em 22 o número de mortos. As autoridades declararam o estado de emergência em todos os hospitais da cidade para atender aos feridos. Após o ataque suicida, um grupo de aldeões enfurecidos apedrejou vários carros na estrada de Hangu à altura de Kacchapakka.

 

O Paquistão celebra hoje a última sexta-feira do Ramadã (Jamat UL wida), o que levou as forças de segurança levantar um alerta à população que poderiam registrar-se ações e atentados dos fundamentalistas, muito ativos nesta parte do país.

 

Os talebans paquistaneses costumam focar nas forças de segurança, embora também realizem ataques contra hotéis, concentrações religiosas e áreas movimentadas, com um alto custo para a população civil.

O atentado já foi condenado pelo primeiro-ministro paquistanês, Yousuf Raza Gillani, e também pelo prsidente do país, Asif Ali Zardari, que se encontra em Londres em visita oficial.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistãotalebanscarro-bomba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.