´Dia da República´ na Índia deixa pelo menos dois mortos

Centenas de seguranças foram espalhados por toda Índia para prevenir qualquer ataque militar para prevenir qualquer ataque durante o dia festivo nesta sexta-feira, mas ainda assim houve pelo menos duas mortes no país.Milhões de pessoas, inclusive o presidente da Rússia, Vladimir Putin, assistiram à parada militar na capital.Movimentos dispersos de violência foi divulgada em muitos estados indianos, inclusive em Jammu-Kashmir e Assam, que não aceitam as regras do país. A polícia disse que forças militares mataram um importante líder islâmico em um conflito em Kashmir, nesta sexta-feira.Ainda na sexta-feira, supostos rebeldes maoístas minas terrestres na estrada para Orissa, matando um soldado paramilitar e ferindo outros dois, segundo agência de notícias Press Trust of IndiaO Dia da República marca a adoção da Constituição democrática na Índia, em 1950. O país conquistou a independência do Reino Unido em 1947 depois de dois séculos como colônia.Crianças de colégios, dançarinos e batalhões militares marcharam por Nova Délhi, durante a festividade.Pelo menos 15 mil policiais e forças de segurança se espalharam pela cidade, disse o comandante Dipendra Pathak. Muitos comércios na cidade estavam fechados e os grupos ficavam em pontos estratégicos.Barricadas barravam as estradas que guiavam à parada e muitos veículos eram checados.A segurança também foi reforçada nas instalações principais do setor de telecomunicações, disse Pathak.Visita de PutinO presidente russo, que chegou na India na quinta-feira para dois dias de visita, foi o convidado especial na parada de Nova Délhi, nas festividades do "Dia da República".Recebido pelo presidente da Índia, A.P.J. Abdul Kalam, e o primeiro-ministro, Manmohan Singh, Putin assistiu à parada que contou com tanques T-72, lançadores de mísseis e armas supersônicas, todos comprados da Rússia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.