Dia de violência mata mais de 50 no Iraque

Um homem-bomba matou 32 pessoas e feriu dezenas de outras no funeral do sobrinho de um político xiita, e um dos diversos ataques desfechados no Iraque nesta quarta-feira. No total, 53 pessoas morreram em atentados, fazendo do dia de hoje o mais letal desde as eleições de 15 de dezembro. A violência intensifica-se no mesmo momento em que os três maiores partidos políticos iraquianos parecem próximos de formar um governo de coalizão incluindo curdos, árabes sunitas e xiitas.Mais de 100 pessoas participavam do funeral em um cemitério de Muqdadiyah, 90 km ao norte de Bagdá, onde seria sepultado um sobrinho de Ahmed al-Bakka, quando o homem-bomba atacou, de acordo com a polícia local. Al-Bakka, um líder do Partido Dawa, havia sobrevivido a uma tentativa de homicídio na terça-feira, na qual o sobrinho perdeu a vida.Em outros atos de violência cometidos nesta quarta-feira, um carro-bomba explodiu nas proximidades de um mercado a céu aberto no distrito de Dora, sul de Bagdá, matando sete pessoas e ferindo outras cinco, de acordo com a polícia. O alvo da explosão era uma patrulha policial, disse o capitão Firras Giti. Outro carro-bomba, no norte de Bagdá, matou três civis e um policial, e feriu 13 outras pessoas. Na cidade Kirkuk, ao norte da capital, uma bomba de beira de estrada atingiu um veículo civil e matou três passageiros.Em Bagdá, homens armados mataram um ex-capitão do Exército e, num incidente separado, um funcionário público e seu filho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.