Dia sangrento em Bagdá: 17 mortos e 100 feridos

Militantes suicidas promoveram ações contra importantes centros comerciais e diplomáticos da capital iraquiana, ao mesmo tempo em que tanques e soldados americanos invadiram Sadr City, um bairro pobre de Bagdá, habitado majoritariamente por xiitas, em busca de armas. Somente na capital iraquiana, a violência de hoje deixou pelo menos 17 mortos e cem feridos. Em Sadr City, aviões de combate e tanques americanos atacaram posições rebeldes, deixando dez mortos e 92 feridos. Militantes suicidas detonaram dois carros-bomba em Bagdá, um dos quais causou a morte de seis pessoas. O outro foi detonado no bairro nobre de Mansour, ferindo quatro soldados americanos e dois iraquianos. Um soldado americano morreu na explosão de um dos carros-bomba, provavelmente o primeiro, apesar de o Exército americano não ter especificado. Em Samarra, na região central do Iraque, soldados americanos e iraquianos entraram em choque com rebeldes. Pelo menos uma criança morreu e cinco pessoas ficaram feridas, informou a polícia. Recentemente, os EUA alegaram ter sufocado uma insurgência de 17 meses em Samarra. Ao todo, os incidentes de violência registrados hoje deixaram 20 pessoas mortas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.