Diálogo do Taleban com governo afegão não trata de paz, diz 'Guardian'

Diplomatas dizem que negociações servem para troca de prisioneiros e promoção da Otan

estadão.com.br

25 de outubro de 2010 | 12h30

CABUL - Os recentes contatos entre o governo do Afeganistão e os militantes do Taleban têm pouco a ver com a reconciliação e envolve muito mais troca de prisioneiros por dinheiro, disseram nesta segunda-feira, 25, diplomatas e observadores ao jornal britânico The Guardian.

 

Veja também:

linkAfeganistão recebe dinheiro do Irã, admite Karzai

linkAtaque da Otan deixa ao menos 25 mortos

link600 soldados da Otan morreram no país em 2010

 

As fontes disseram que os contatos com o Taleban ocorrem há anos e refletem como a guerra ocorre no Afeganistão, onde negociações e batalhas acontecem simultaneamente. Os encontros, porém, foram celebrados como passos para a reconciliação e o fim da luta contra os insurgentes no país e como medidas para mostrar que Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e as forças afegãs conseguem ganhos estratégicos na guerra.

 

Nas últimas semanas houve notícias de que comandantes do Taleban teriam se encontrado com membros do governo afegão para negociar a paz de acordo com o plano de reconciliação lançado pelo presidente Hamid Karzai.

 

Mas as negociações, segundo as fontes, não tiveram representantes de peso do Taleban e não trataram da apresentação de propostas para o fim da luta armada. Em uma delas, Karzai teria oferecido dinheiro a um taleban para que ele convencesse seus interlocutores a pregar o fim da guerra.

 

Segundo as fontes, as reuniões não tiveram representantes da Quetta Shura, a cúpula do Taleban, que portanto não apresentou suas visões. Comandantes da rede insurgente Haqqani, considerada a mais violenta do Afeganistão, chegaram a conversar com representantes do governo, mas as conversas se mostraram improdutivas.

 

Michael Semple, ex-enviado da União Europeia e da Organização das Nações Unidas (ONU), disse que "esse tipo de coisa ocorre há muito tempo. É a forma como Karzai opera, e é o padrão de operação no Afeganistão". "Se fosse um processo sério, estaríamos mantendo tudo em segredo", disse Semple, questionando o fato de que as reuniões têm vazado constantemente na imprensa.

 

O Taleban nega quaisquer contatos com o governo afegão, conforme vários veículos de imprensa tem noticiado. Segundo os insurgentes, "as marionetes afegãs e seus chefes ocidentais querem fazer parecer que as negociações são um progresso e que as milícias estão prontas para negociar".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.