Diálogo entre Coreias termina 20 minutos após começar

Países discutiam parque industrial conjunto situado na fronteira; governos não deram detalhes de encontro

AP e Reuters,

21 de abril de 2009 | 10h17

As Coreias do Norte e Sul encerraram rapidamente uma conversa nesta terça-feira, 21, para discutir um parque industrial conjunto situado ao norte da fronteira fortemente armada que divide os dois países. O raro encontro terminou cerca de 20 minutos após o início. Nenhum dos governos deu detalhes do encontro.

 

Veja também:

linkCoreia do Norte tenta diálogo com Sul, mas alerta sobre sanção

 

A iniciativa aconteceu depois de a Coreia do Norte ter expulsado inspetores nucleares internacionais e dito que vai reativar sua usina nuclear de Yongbyon, que produz plutônio enriquecido, próprio para fabricar bombas, em reação à reprimenda dada pelas Nações Unidas pelo lançamento de um foguete norte-coreano no início deste mês, visto amplamente como teste disfarçado de um míssil de longo alcance.

 

De acordo com o governo sul-coreano, foi a Coreia do Norte que formulou o pedido de discussões no sábado, depois de ter suspendido discussões com Seul em várias ocasiões. Pouco depois de formular o pedido de discussões, a mídia oficial da Coreia do Norte avisou ao Sul que não irá participar de uma iniciativa liderada pelos EUA contra o fluxo de armas, dizendo que quaisquer sanções contra o Estado comunista serão interpretadas como ato de guerra.

 

O parque industrial de Kaesong, que chegou a ser saudado como modelo de cooperação econômica futura entre as duas Coreias, nos últimos meses virou ponto focal de desavenças entre elas, com a Coreia do Norte expulsando trabalhadores sul-coreanos e fechando operações. A Coreia do Norte mantém um funcionário sul-coreano preso no complexo há três semanas. A mídia local disse que o funcionário teria provocado a ira de Pyongyang ao fazer comentários depreciativos sobre seu sistema político comunista.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do NorteCoreia do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.