AFP PHOTO / Kirill KUDRYAVTSEV
AFP PHOTO / Kirill KUDRYAVTSEV

Diálogo entre governo e rebeldes sírios não avança

Conversas de paz realizadas em Astana, capital do Casaquistão, são mediadas pela Rússia, aliada do governo sírio, e pela Turquia, que apoia a oposição, e devem terminar amanhã

O Estado de S. Paulo

23 Janeiro 2017 | 21h08

ASTANA - O primeiro dia das negociações entre rebeldes sírios e enviados do presidente Bashar Assad terminou na noite desta segunda-feira, 23, sem avanços claros, informaram as duas delegações. As conversas de paz realizadas em Astana, capital do Casaquistão, são mediadas pela Rússia, aliada do governo sírio, e pela Turquia, que apoia a oposição, e devem terminar amanhã.

Uma delegação da oposição informou que debaterá apenas maneiras de manter o frágil cessar-fogo em vigor atualmente. O governo sírio qualifica a maior parte dos grupos rebeldes que participam da conferência de “terroristas” com apoio no exterior, mas diz estar disposto a se envolver nas conversas com facções armadas que entregarem suas armas e participarem de acordos de reconciliação após quase seis anos de guerra civil.

Os principais grupos rebeldes, reunidos sob a bandeira do chamado Exército Sírio Livre, rejeitaram esses termos, dizendo que seu objetivo é acabar com o governo de Assad por meio de um processo de transição política endossado pela ONU.

“Não entraremos em discussões políticas e tudo gira em torno do respeito ao cessar-fogo e da dimensão humanitária de se amenizar o sofrimento dos sírios sitiados e a liberação de detidos e a entrega de ajuda”, disse Yahya al-Aridi, porta-voz da delegação da oposição.

Além das duas delegações e de representantes de Rússia e Turquia, está presente nas conversas o enviado especial da ONU para a Síria, Staffan De Mistura. / AFP e REUTERS

 

Mais conteúdo sobre:
Síria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.