Diálogo para governo partilhado não foi suspenso, diz Mugabe

Presidente do Zimbábue diz que chegar a consenso em negociações com a oposição pode ser díficil

Associated Press, Reuters e Efe,

30 de julho de 2008 | 08h21

O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, afirmou nesta quarta-feira, 30, que as negociações com a oposição para solucionar a crise política no país estão bem e que ele deseja que as conversas sejam bem sucedidas. Em mensagem na televisão, Mugabe alertou ainda que "algumas vezes chegar a um consenso pode ser difícil".   Veja também: Zimbábue corta dez zeros da moeda para combater inflação   Mugabe afirmou ainda que pode declarar estado de emergência no Zimbábue se houver abusos na alta dos preços após o Banco Central do país anunciar que cortará dez zeros da moeda do país para combater a inflação facilitar as operações em calculadores e computadores. Com a mudança, US$ 10 milhões equivalem a US$ 1. O país sofre a inflação mais alta do mundo, e equipamentos eletrônicos já não conseguem calcular transações financeiras em milhões ou bilhões de dólares.   Mediadores sul-africanos afirmaram que representantes do governo e da oposição, que discutem a formação de um governo compartilhado, retornaram ao Zimbábue por alguns dias para consultar líderes dos dois lados, mas há boatos de que a interrupção foi provocada por um impasse sobre quem comandaria o país. Tanto Mugabe como o líder opositor, Morgan Tsvangirai, insistem em liderar o governo.   O presidente sul-africano, Thabo Mbeki, mediador para a crise, viajará nesta quarta para Harare para se encontrar com Mugabe e com o dirigente opositor Arthur Mutambara, segundo informou a Presidência de Pretória. Segundo o gabinete, Mbeki se reuniu na terça com Tsvangirai depois que o oposicionista afirmou que as negociações para a formação de um governo de unidade no país estavam em "ponto morto", pois o governo não respeita a vontade do povo.   Mbeki admitiu que as negociações entre o governo e a oposição estão suspensas temporariamente, mas não bloqueadas, e afirmou que se desenvolvem "muito bem". "As negociações não concluíram, serão suspensas por alguns poucos dias, porque (as equipes) querem retornar a Harare para consultas com seus principais líderes sobre o que foi discutido até agora, mas retornarão no final da semana e retomarão suas reuniões", afirmou o chefe de Estado sul-africano.   A oposição exige que Tsvangirai, que ganhou o primeiro turno das eleições presidenciais, em 29 de março, lidere o eventual governo de união nacional que surgir das negociações com a Zanu-PF. As conversas, que acontecem em um lugar não revelado e sob embargo à imprensa, começaram na semana passada, após a assinatura de um memorando de entendimento entre a Zanu-PF e a oposição para negociar a formação de um governo de unidade, no qual os opositores, que dominam o Parlamento eleito em março e ainda não convocado por Mugabe, esperam uma presença destacada.

Tudo o que sabemos sobre:
Zimbábue

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.