Diante de protestos, Parlamento grego vota novo pacote de austeridade

Mais de 100 mil manifestantes se reuniram no centro de Atenas para acompanhar a votação.

BBC Brasil, BBC

11 de novembro de 2012 | 21h54

Apesar dos protestos que reuniram milhares de pessoas, os parlamentares gregos aprovaram na noite deste domingo o orçamento de 2013 do país, prevendo uma série de cortes e outras medidas de austeridades.

O orçamento foi apoiado por 167 parlamentares, enquanto 128 votaram contra. A aprovação desse orçamento era uma pré-condição para que Antenas pudesse receber a ajuda de 31,5 bilhões de euros (mais de R$ 80 bilhões) da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Sem ela, havia sérios riscos de que o país entrasse em um colapso financeiro.

Antes e durante a votação, mais de 100 mil manifestantes se reuniram diante do Parlamento, no centro de Atenas.

O premiê Antonis fez um apelo, dizendo que os cortes orçamentários serão os últimos que os gregos terão de enfrentar.

"A Grécia fez o que lhe foi pedido. Agora é hora para os credores assumirem os compromissos que fizeram", disse.

Desafios

Samaras já havia dito que sem auxílio da UE e do FMI, o país poderia enfrentar uma falta de dinheiro no fim desta semana. A economia do país deve encolher 4,5% em 2013.

Ministros da zona do euro vão se reunir em Bruxelas, na Bélgica, nesta segunda-feira, poucas horas após a votação. Samaras deve participar do encontro.

Um dos principais desafios enfrentados por Samaras é que pode levar semanas até que a União Europeia aprove a nova cota de ajuda, segundo o correspondente da BBC em Atenas, Mark Lowen. Isso porque ela tem de ser aprovada primeiro por alguns parlamentos dos países do bloco, incluindo a Alemanha.

Um pacote de austeridade já havia sido aprovado na semana passada, diante de protestos violentos, em que manifestantes lançaram coquetéis molotov contra a polícia de choque, que respondeu com bombas de gás lacrimogêneo.

No limite

Os credores da Grécia também querem entrar em acordo sobre como reduzir os débitos a um nível aceitável antes de emprestar mais dinheiro, ainda de acordo com Lowen.

Evangelos Venizelos, cujo partido socialista Pasok integra a coalizão do governo, fez um alerta aos parceiros europeus, dizendo que qualquer atraso no empréstimo pode ter impactos negativos não são para a Grécia mas para a zona do euro como um todo.

"A Grécia chegou a seu limite", disse.

Já o ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schaeuble, afirmou que ninguém se opõe ao fundo de ajuda, mas que o governo grego deveria ter cumprido as metas para obtê-lo meses atrás.

"Não somos responsáveis por essa urgência. Todos as pessoas responsáveis por ela estão ciente dos prazos faz muito tempo." BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
maingreciaeuropaausteridade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.