Díaz-Canel se reúne com Kim Jong-un durante visita a Pyongyang

Essa é a segunda vez que o presidente cubano visita a capital da Coreia do Norte

O Estado de S.Paulo

06 Novembro 2018 | 04h39

Seul - O líder norte-coreano, Kim Jong-un, se reuniu pela segunda vez com o presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, no marco da visita de sua visita a Pyongyang, na última segunda-feira, 5.

Kim recebeu Díaz-Canel na sede do Comitê Central do Partido dos Trabalhadores, segundo informou nesta terça-feira, 6, a agência estatal de notícias "KCNA", onde o marechal norte-coreano tem seu escritório. Ambos líderes trataram "as situações dos respectivos países" e trocaram "opiniões francas e sinceras" sobre "a situação da península coreana e as relações internacionais", resumiu a "KCNA".

Díaz-Canel também se reuniu com o presidente honorário do país, Kim Yong-nam e ainda visitou a Escola Revolucionária de Mangyondae. Como ponto final do segundo dia do presidente cubano na Coreia do Norte, ele e sua mulher, Lis Cuesta Peraza, jantaram com Kim Jong-un e a primeira-dama norte-coreana, Ri sol-ju, com quem assistiram depois a um espetáculo de ginástica.

Durante esta viagem de três dias a Pyongyang, os líderes quiseram encenar a proximidade de ambos países sobre a base da "independência anti-imperialista e o socialismo", como escreveu a propaganda norte-coreana. Como países que em meados do século passado fundamentaram as bases do Estado sobre o comunismo, Coreia do Note e Cuba mantiveram boas relações desde que as iniciaram oficialmente em 1960, um ano depois do triunfo da revolução castrista.

Embora a desestalinização da União Soviética empreendida naquele momento por Nikita Khrushchov - e que acabaria levando o regime norte-coreano a apostar em uma via mais militarista centrada no culto extremo aos líderes - tenha distanciado Pyongyang de Havana, ambos países trabalharam para manter os bons laços.

Fidel Castro visitou a Coreia do Norte uma vez em 1986, a primeira e única ocasião em que se reuniu com o fundador do país, Kim Il-sung, e seu filho e sucessor, Kim Jong-il, avô e pai do atual líder norte-coreano. Por sua parte, Díaz-Canel, já havia visitado Pyongyang como primeiro vice-presidente em 2015, uma viagem na qual também se reuniu com Kim Jong-un.

O presidente cubano conclui hoje sua visita à Coreia do Norte, de onde voa à China para participar da Exposição Internacional de Importações de Xangai. Díaz-Canel porá fim, assim, à sua primeira excursão internacional como presidente que começou em 1º de novembro e lhe levou primeiro à Rússia em 12 novembro, após passar também por Vietnã e Laos. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.