EFE/ Michael Reynolds
EFE/ Michael Reynolds

Díaz-Canel substituirá Raúl Castro na liderança do Partido Comunista em 2021

Em discurso, ex-presidente afirmou que a troca de comando na legenda foi planejada dessa forma

O Estado de S.Paulo

19 Abril 2018 | 13h36
Atualizado 19 Abril 2018 | 14h55

HAVANA - O novo presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, substituirá Raúl Castro no comando do Partido Comunista Cubano (PCC) no ano de 2021, quando está prevista a realização do 8.º Congresso da legenda.

+ Díaz-Canel promete pouco espaço para capitalismo ao assumir presidência de Cuba

+ Artigo: Raúl influenciou mudança para a esquerda da revolução

Raúl se despediu nesta quinta-feira, 19, da presidência de Cuba, mas seguirá como primeiro-secretário do PCC pelos próximos três anos. Em discurso, o agora ex-presidente afirmou que a troca de comando na legenda foi planejada dessa forma.

+ Díaz-Canel, o primeiro a presidir Cuba após 59 anos de Castros no poder

+ Díaz-Canel: Afável em público, linha-dura entre os companheiros

O general também disse que será proposta a criação de uma comissão de deputados para redigir o projeto de reforma da atual Constituição. O grupo deve ser formado em julho.

Como já havia anunciado no último Congresso do PCC em 2016, Raúl disse que a reforma constitucional será discutida com a população, submetida a um referendo, para deixar claro que não haverá mudanças no "objetivo estratégico" do sistema político do país. O agora ex-presidente afirmou que o povo apoiará a reforma constitucional, como já fez anteriormente durante a discussão da Carta Magna aprovada em 1976 por Fidel Castro.

Uma das mudanças propostas é a limitação da reeleição a dois mandatos, uma medida ratificada nos últimos dois congressos do Partido Comunista, mas que ainda não virou lei.

Raúl também indicou a possibilidade de criar a figura de um primeiro-ministro. No entanto, as responsabilidades fundamentais do Estado cubano (a presidência do Conselho de Estados e Ministros e a direção do Partido Comunista) seguirá com apenas uma pessoa. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.