Natacha Pisarenko / AP
Natacha Pisarenko / AP

Dilma comemora anúncio de negociações entre EUA e Cuba

Presidente brasileira disse que política brasileira de incentivar integração da ilha está certa, apesar de muito criticada na campanha

João Villaverde, Enviado especial / ENTRE RÍOS, ARGENTINA, O Estado de S. Paulo

17 de dezembro de 2014 | 17h05

ENTRE RÍOS, ARGENTINA - A presidente Dilma Rousseff citou o Porto de Mariel, em Cuba, financiado com recursos do BNDES, pouco antes de embarcar de volta da Argentina para o Brasil. "Fico muito feliz com o acordo entre os EUA e Cuba porque toda a política do governo brasileira até agora tem sido enfatizar, e não só do ponto de vista retórico, mas com ações concretas, a forma pela qual Cuba tem de ser integrada. Algo que foi tão criticado durante a campanha, o porto de Mariel, mostra hoje mesmo a sua importância para toda a região. E para o Brasil principalmente na medida em que hoje o porto é estratégico pela sua proximidade com os Estados Unidos", afirmou Dilma, na porta do carro oficial que a levou para a base aérea de Paraná.


O tema Porto de Mariel foi uma das principais críticas feitas pela oposição durante a campanha presidencial, vencida por Dilma no segundo turno por margem estreita de votos. Liderados pelo tucano Aécio Neves (PSDB-MG), os oposicionistas criticaram a decisão do governo federal petista de usar recursos subsidiados do BNDES para financiar a construção de um porto em Cuba, comandado há quase 56 anos pelos irmãos Fidel e Raúl Castro.

"Eu achei fantástica essa retomada das relações entre os Estados Unidos e Cuba. Acredito que isso é um marco das relações da nossa região", completou Dilma.

 

Tudo o que sabemos sobre:
BrasilDilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.