Reuters
Reuters

Dilma critica intervenção militar da Rússia na Síria

Para presidente brasileira, não existe solução militar para o conflito que não passe por negociação diplomática e formação de coalizão 

Andrei Netto, enviado especial / Estocolmo, O Estado de S. Paulo

19 Outubro 2015 | 10h11

ESTOCOLMO - Sócia do governo da Rússia nos BRICS, a presidente Dilma Rousseff criticou nesta segunda-feira, 19, a intervenção militar russa na Síria. Falando ao lado do primeiro-ministro da Suécia, Stefan Löfven, em Estocolmo, a presidente defendeu que negociações diplomáticas entre "grandes potências" resultem em uma coalizão para bombardear em conjunto o grupo terrorista Estado Islâmico.

Dilma reforçou suas críticas às intervenções militares internacionais em curso na Síria, mas desta vez incluiu a Rússia de Vladimir Putin, parceiro do Brasil no grupo de grandes emergentes, os BRICS. "Não acreditamos que invadir e bombardear um país resolverá a questão", disse a presidente. "Esse também é o problema que cerca a intervenção russa." 

Segundo Dilma, não há solução militar para o conflito. "A intervenção russa tem a sua explicação no fato de ser uma proteção contra, entre outros, o grupo ISIS. Tem outros grupos com um componente similar, como Al-Nosra e Al-Qaeda. Eu não acredito em uma solução militar para o conflito sírio."

A presidente também voltou à polêmica sobre sua suposta defesa de diálogo com o Estado Islâmico. A versão surgiu em setembro de 2014, durante a 69ª Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York quando Dilma afirmou em entrevista não acreditar que bombardeios contra o o movimento jihadista, que tomou o norte da Síria e do Iraque, resolvessem o problema. "Vocês acreditam que bombardear o Isis resolve o problema? Porque, se resolvesse, eu acho que estaria resolvido no Iraque", afirmou então.

À época, a declaração foi interpretada como defesa de diálogo com o Estado Islâmico, o que Dilma voltou a negar hoje, classificando a análise como "falsidade" da oposição durante a campanha eleitoral de 2014. "No momento eleitoral no Brasil infelizmente as coisas são distorcidas", lamentou.

"O Brasil acredita que certos conflitos, como o da Síria, do Iraque e da Líbia, têm de ser resolvidos de forma predominantemente diplomática", reiterou, esclarecendo a seguir: "Nós somos radicalmente contra grupos terroristas como o ISIS". Questionada mais uma vez sobre se defendia o diálogo com o grupo, Dilma negou: "Óbvio que não. Não tem conversa com o Estado Islâmico". "O Estado Islâmico não participa de uma mesa de negociação. Eles não participam porque têm outro tipo de política, como cortar gargantas. E aí é preciso combater com armas", reconheceu.

Para a presidente, é preciso que as potências internacionais negociem um "acordo" que resulte em uma "intervenção comum". "Não é com o Estado Islâmico que tem de conversar. Não há só o Estado Islâmico na Síria. É preciso uma tentativa de solução via grandes potências", ressaltou. 

Mais conteúdo sobre:
Síria Rússia Brasil Brics Dilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.