Dilma defende Embraer em cúpula regional

Presidente interrompe fala de Obama para citar a empresa brasileira, que teve um contrato de compra quebrado pela Força Aérea americana

JULIA DUAILIBI, ENVIADA ESPECIAL / CARTAGENA, O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2012 | 03h02

A presidente Dilma Rousseff fez ontem uma intervenção no discurso do presidente americano, Barack Obama, para defender a Embraer, ao mesmo tempo em que pediu um diálogo entre iguais na relação dos EUA com os demais países das Américas.

Dilma dividiu o palco com Obama e o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, durante encontro com 700 empresários que participaram do primeiro dia da 6.ª Cúpula das Américas, em Cartagena, Colômbia. A exposição foi mediada pelo jornalista Chris Matthews (MSNBC), que questionou Obama se o crescimento do Brasil não se confrontava com o dos EUA.

O americano disse que o fortalecimento da classe média brasileira criava "clientes para nossas empresas". "Se o Brasil está crescendo, e as oportunidades são criadas, eles compram mais iPads, Boeings", disse Obama. Foi quando Dilma, fugindo do protocolo, interrompeu Obama e falou: "Embraer". Arrancou risos e aplausos da plateia.

O cancelamento da licitação da Forca Aérea americana para comprar Super Tucanos, que havia sido vencida pela Embraer, é um dos assuntos mais delicados da relação comercial entre os dois países. Dilma abordou a questão na viagem a Washington na semana passada.

O debate entre Dilma e Obama era um dos mais esperados da cúpula. A presidente abriu o encontro cobrando a igualdade nas relações. "O modelo que eu acredito, que é o adequado, é de parceria e de diálogo entre iguais. No passado, as relações assimétricas entre o Norte e o Sul foram responsáveis por processos negativos em nosso país", disse Dilma.

A presidente voltou a criticar as políticas expansionistas implementadas pela Europa e pelos EUA e o "tsunami monetário" que causam nos países em desenvolvimento. Cobrou, então, políticas de "expansão de investimento", além da "expansão monetária".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.