Dilma destaca esforço de reaproximação entre Brasil e Paraguai

Em discurso breve, presidente reforçou a intenção de 'aprofundar' a relação com o país vizinho

AE - Agência Estado,

30 de setembro de 2013 | 14h26

(Atualizada às 14h00) - A presidente Dilma Rousseff destacou o esforço de reaproximação entre Brasil e Paraguai desde que o presidente Horacio Cartes assumiu o cargo, em agosto. Em pronunciamento feito ao lado de Cartes, que está em visita oficial ao País, Dilma lembrou que já foram realizadas três reuniões bilaterais em encontros que tiveram como cenário as tratativas para o retorno do Paraguai ao Mercosul.

"A frequência dos encontros mostra o desejo de aprofundar a parceria dos dois países", disse Dilma, destacando que as duas nações estão unidas nas áreas sociais, econômicas e energéticas. A presidente também falou da especial satisfação em receber o presidente paraguaio em sua primeira visita oficial ao Brasil.

"O momento é de retomar com intensidade do diálogo bilateral", destacou Dilma, que reservou parte de seu discurso para falar do setor energético, ao ressaltar que Brasil e Paraguai dividem a maior usina hidrelétrica do mundo em produção: a Itaipu binacional.

No encontro de hoje, os dois mandatários voltaram a discutir, entre outros temas, o retorno do Paraguai ao Mercosul. O país esteve suspenso do bloco entre o final de junho de 2012 e julho deste ano, devido ao impeachment do ex-presidente Fernando Lugo, considerado pelos demais membros do bloco como uma ruptura democrática.

A presidente também fez um agradecimento público a Cartes pelo tratamento dispensado por Assunção à comunidade brasileira que vive no país. "Nos últimos quatro anos, quase 15 mil brasileiros foram beneficiados pelo programa de regularização migratória", afirmou Dilma, emendando que o Brasil está agradecido por esse "tratamento civilizado".

Além da integração regional, a reunião entre Dilma e Cartes também tem outros temas, segundo o Ministério das Relações Exteriores do Brasil, como desenvolvimento fronteiriço, comércio, infraestrutura e combate à pobreza. No ano passado, as relações comerciais entre Brasil e Paraguai foram da ordem de US$ 3,6 bilhões e as importações de produtos paraguaios cresceram 38%, na comparação com o ano anterior.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.