Dilma e Lula viajam hoje; Dirceu pede permissão ao STF

A presidente Dilma Rousseff viaja hoje, às 11 horas, para Caracas, onde participa, na sexta-feira, da cerimônia de homenagens dos chefes de Estado ao presidente venezuelano Hugo Chávez. Na comitiva, além de ministros de Estado, estará também o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, amigo pessoal de Chávez.

LISANDRA PARAGUASSU, TÂNIA MONTEIRO , BRASÍLIA, / COLABOROU FAUSTO MACEDO, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2013 | 02h03

Dilma deverá chegar a Caracas no meio da tarde e está previsto no mesmo dia um encontro com o presidente interino do país, Nicolás Maduro, e conversas com outros líderes sul-americanos.

Ontem pela manhã, a presidente tinha planos de embarcar ainda na mesma noite, mas a confirmação de que a cerimônia e o enterro seriam apenas na sexta-feira a convenceram a esperar.

A presidente deve voltar de Caracas ainda na sexta-feira, depois do enterro de Chávez e das cerimônias fúnebres. Além de Lula, deverão acompanhá-la a Caracas o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, e o assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia.

Dirceu. O ex-ministro José Dirceu (Casa Civil), condenado a 10 anos e 10 meses de prisão no processo do mensalão, também quer ir aos funerais de Chávez. Em petição ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, ele pediu "em caráter de urgência" autorização para ir a Caracas "no intuito de acompanhar o enterro do presidente da Venezuela".

Dirceu está proibido de deixar o País, "sem prévio conhecimento e autorização do STF", segundo ordem do ministro Barbosa.

A petição é subscrita por três advogados de Dirceu, os criminalistas José Luís Oliveira Lima, Rodrigo Dall'Acqua e Ana Carolina Piovesana. Eles sustentam que Dirceu quer ir ao enterro "em razão da relação de amizade que mantinha com o presidente".

A defesa do ex-ministro assume o compromisso. "Caso haja autorização desta Suprema Corte o retorno (de Dirceu) ao Brasil será realizado 24 horas após a cerimônia fúnebre."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.