Dilma falará sobre economia e crescimento

A presidente Dilma Rousseff deve aproveitar seu discurso durante a reunião dos Brics, na terça-feira, em Fortaleza, para reforçar a ideia de que as cinco nações estão nos "corações e mentes" do mundo. Focado em temas como geração de emprego, oportunidades de avanço da infraestrutura, realização de grandes eventos e desenvolvimento sustentável, o discurso presidencial deve se concentrar no período iniciado em 2008, quando o bloco foi criado e, coincidentemente, eclodiu a crise financeira mundial, a partir dos EUA e da Europa.

JOÃO VILLAVERDE, BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

13 Julho 2014 | 02h02

Naquele ano, a China foi sede dos Jogos Olímpicos. Em 2009, foi a vez da África do Sul receber a Copa das Confederações e do Mundo. Agora, a cúpula dos Brics ocorre logo após o término do Mundial no Brasil, que também será sede da Olimpíada de 2016. Em 2018 a Copa do Mundo será realizada na Rússia.

Sustentabilidade. Um dos pontos centrais da cúpula é a aliança entre crescimento e desenvolvimento sustentável. Dilma deve defender, durante a cúpula, a ideia de que os Brics não são apenas uma aliança financeira, mas um novo modelo de desenvolvimento. Mesmo sem registrarem taxas tão elevadas de crescimento quanto seis anos atrás, quando o grupo foi constituído, os Brics seriam uma alternativa de crescimento com inclusão.

A ideia central defendida pelo Brasil é que os cinco membros dos Brics são um exemplo de "fazer melhor para mais gente". A intenção é mostrar que os países têm alternativas e políticas públicas diversas com resultados importantes e, mesmo não crescendo tanto quanto há alguns anos, ainda têm economias mais vigorosas do que os chamados países desenvolvidos. / COM L.P.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.