EFE/Justin Lane
EFE/Justin Lane

Dilma pede em discurso reforma abrangente da ONU e livre fluxo de pessoas pelo mundo

Ela ressaltou que a ONU teve avanços importantes em seus 70 anos, destacando que o processo de descolonização "apresentou notável evolução"

Altamiro Silva Junior, correspondente e Tânia Monteiro, enviada especial, O Estado de S. Paulo

28 Setembro 2015 | 11h17

NOVA – A presidente Dilma Rousseff defendeu em seu discurso nas Nações Unidas (ONU) na manhã desta segunda-feira, 28, que 2015, ano em que a instituição, que reúne mais de 180 países, completa 70 anos, é o momento ideal para a reforma da ONU. A presidente destacou a crise dos refugiados na Europa, condenou o Estado Islâmico e pediu ainda o livre trânsito de pessoas pelo mundo.

“Em um mundo onde circulam, livremente, mercadorias, capitais, informações e ideias, é absurdo impedir o livre trânsito de pessoas”, afirmou Dilma. A presidente começou seu discurso, para uma plenária lotada, falando da necessidade de mudanças na ONU, de forma que a instituição reflita o novo equilíbrio de forças da economia mundial, com os países emergentes, por exemplo, ganhando mais peso. “Temos a esperança que a reunião que hoje se inicie entre para a história como ponto de inflexão na trajetória das Nações Unidas”, disse Dilma.

Ela ressaltou que a ONU teve avanços importantes em seus 70 anos, destacando que o processo de descolonização “apresentou notável evolução”, bem como questões para tratar das mudanças climáticas, o fim da pobreza e desenvolvimento sustentável. Nesse sentido, “temas como desafios urbanos e as questões de gênero e raça ganharam prioridade”, disse ela.

A ONU, porém, não conseguiu o mesmo êxito ao tratar de outros temas, como a segurança coletiva. “A multiplicação de conflitos regionais, alguns com alto potencial destrutivo, assim como a expansão do terrorismo, que mata homens, mulheres e crianças, destrói o patrimônio da humanidade, expulsa de suas comunidades seculares milhões de pessoas, mostram que a ONU está diante de um grande desafio.”

A presidente do Brasil defendeu a reforma “abrangente” do Conselho de Segurança, com ampliação de seus membros permanentes e não permanentes. Ao longo do final de semana em Nova York, Dilma tocou no tema e se reuniu com Alemanha, Japão e Índia, que junto com o Brasil, foram o G-4, grupo criado especialmente para pedir reformas no Conselho. “Para dar às Nações Unidas a centralidade que lhe corresponde, é fundamental uma reforma abrangente de suas estruturas.”

A reforma da ONU, afirmou Dilma, é essencial para criar uma instituição mais forte, que lide com crescentes problemas da economia mundial. Ela mencionou o terrorismo e conflitos armados, que produzem outro problema, os refugiados. “Não se pode ter complacência com tais atos de barbárie, como aqueles perpetrados pelo Estado Islâmico e outros grupos associados”, disse, mencionando o menino sírio encontrado morto em uma praia na Turquia e as 71 pessoas asfixiadas em um caminhão na Áustria.

Aplausos - O Brasil, disse Dilma, é um País “de acolhimento”, afirmando que a economia brasileira está de “braços abertos” para receber refugiados, momentos em que foi aplaudida pela plateia. A presidente destacou que o país tem recebido sírios, haitianos e no passado, vários europeus e asiáticos.

Dilma pediu ainda que não se pode “postergar a criação de Estado Palestino” e elogiou o restabelecimento das relações diplomáticas entre Cuba e os Estados Unidos, bem como o acordo nuclear com o Irã.

Apesar de dedicar a maior parte de sua fala à política externa, Dilma não deixou de lado os problemas internos do País ao afirmar que "o governo e a sociedade brasileira não toleram e não tolerarão a corrupção".

Mais conteúdo sobre:
Dilma Rousseff Assembleia-Geral

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.