Dilma pede negociação rápida em Honduras

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse hoje, em entrevista a correspondentes estrangeiros no País, que o Brasil se empenhará para resolver o problema político de Honduras de forma negociada e o mais rapidamente possível.

ANNE WARTH, Agencia Estado

25 de setembro de 2009 | 13h10

"O que esperamos, e vamos fazer todo o empenho para isso, é que essa questão seja resolvida da forma mais rápida possível e de forma negociada", afirmou.

Dilma disse que o Brasil sempre se posicionou contra governos assumidos por meio de golpes de Estado. "Nós sempre fomos contra governos golpistas. A questão fundamental em Honduras tem origem em golpe de Estado", ressaltou.

A chefe da Casa Civil afirmou que a Embaixada do Brasil, que abriga o presidente deposto hondurenho, Manuel Zelaya, adotou uma posição correta. "Nós não iríamos negar abrigo a Zelaya", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.