Dinamarca acha desnecessárias desculpas por charges

O ministro do Exterior da Dinamarca, Per Stig Moeller, afirmou, nesta segunda-feira que um pedido de desculpas do governo pelas caricaturas de Maomé veiculadas em um jornal dinamarquês seria sem sentido." Em primeiro lugar, você não pode se desculpar por algo que não fez e em segundo lugar, nada ilegal foi feito, pois ninguém foi considerado culpado por um tribunal", disse Moeller.Manifestantes muçulmanos em todo o mundo exigem que a Dinamarca peça desculpas pela publicação de 12 caricaturas do profeta Maomé veiculados pelo jornal Jyllands-Posten em setembro do ano passado. No dia 30 de janeiro o jornal se desculpou por ter ofendido muçulmanos, mas defendeu sua posição citando a liberdade de imprensa.Moeller rejeitou a idéia de uma desculpa por parte do governo. "Não há sentido em pedir desculpas. Não cabe ao governo julgar, mas sim aos tribunais". Ele disse que não havia como prever que as caricaturas causariam tanta revolta no mundo muçulmano."Não há dúvidas de que muito sentimentos foram feridos".O ministro afirmou que não consegue ver um fim ao conflito logo. "Ele tomou as ruas. Nós temos contatos políticos com os governos, mas agora a situação está nas ruas e levará um tempo para ser resolvida". Segundo ele não há planos imediatos para visitas diplomáticas para acalmar a revolta. "Será uma coisa boa, na hora certa. Deve ser uma viagem que traga resultados", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.