Dinamarca revoga proibição de bebidas em lata

Em razão da pressão exercida por representantes da Comissão Européia (CE) para o cumprimento das regras comuns para embalagens, o novo governo da Dinamarca revogou a lei, em vigor há 20 anos, que proibia a venda de cervejas e refrigerantes em latas de metal. A CE, o braço executivo da União Européia (UE), ameaçou o governo dinamarquês com uma ação judicial em relação à proibição - introduzida no dia 1° de janeiro de 1982 - citando a solicitação, por parte da UE, para que os países membros não obstruam a comercialização de produtos em embalagens que foram aceitas nos demais países do bloco. As redes de supermercado e os produtores de bebidas da Dinamarca solicitaram a introdução das latas, que são mais baratas e mais fáceis de serem fabricadas e manuseadas. Opositores, contudo, argumentam que a proibição se aplicava para bebidas que continham dióxido de carbono, e não sucos de frutas. Além disso, disseram que os dinamarqueses poderiam comprar cerveja enlatada na vizinha Alemanha, que cobra impostos menores sobre alimentos e bebidas. O ministro do ambiente do país, Hans Christian Schmidt, disse que a decisão de suspender a proibição, a partir do dia 23 de janeiro, foi tomada porque as latas podem ser utilizadas de maneira responsável, com a criação de um sistema de depósito, onde elas poderão ser recicladas e reutilizadas. Os consumidores deverão pagar 1,5 coroa dinamarquesa (US$ 0,18) pelas latas produzidas na Dinamarca. Nada será cobrado pelas latas compradas de outros países. A Associação das Cervejarias da Dinamarca e a Federação dos Varejistas informaram que deverão investir cerca de 250 milhões de coroas dinamarquesas (US$ 30 milhões) para adaptarem as máquinas de reciclagem automáticas nos cerca de 2.000 supermercados do país, até o dia 1° de junho. Representantes dos supermercados e produtores em geral demonstraram satisfação com a decisão e anunciaram planos para adaptar as máquinas de reciclagem para que aceitem as latas.

Agencia Estado,

14 Janeiro 2002 | 18h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.