KCNA via REUTERS
KCNA via REUTERS

Diplomacia de Biden é 'hostil', diz Coreia do Norte

Em comunicado, regime de Kim Jong-un disse que democrata cometeu 'um grande erro' com sua postura 'defasada' em relação ao país

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de maio de 2021 | 18h12

PYONGYANG - A Coreia do Norte acusou neste domingo, 2, o presidente americano Joe Biden de executar uma política hostil e denunciou como "espúria" a diplomacia dos Estados Unidos.

Biden afirmou em seu primeiro discurso presidencial no Congresso na última quarta-feira, 28, que usaria "a diplomacia, bem como a dissuasão severa" para conter as ambições nucleares da Coreia do Norte. 

Em um comunicado difundido pela agência oficial de notícias KCNA, o regime liderado por Kim Jong- un disse que Biden havia cometido um "grande erro" com sua postura "desfasada" em relação ao país.

"A declaração reflete claramente sua intenção de prosseguir uma política hostil a respeito da RPDC (República Popular Democrática da Coreia), o que o governo dos Estados Unidos faz há mais de meio século", declarou Kwon Jung Gun, funcionário do ministério norte-coreano das Relações Exteriores.

"A suposta diplomacia americana é um indicador espúrio para acobertar seus atos hostis e a dissuasão anunciada é um meio de submeter a RPDC a ameaças nucleares", completou.

Em outra declaração também divulgada pela KCNA, o ministério acusou Biden de insultar Kim Jong-un e acrescentou: "Advertimos os Estados Unidos o suficiente para que entendam que sairão prejudicados se nos provocarem". 

A Casa Branca informou nesta sexta-feira, 30, que seu objetivo continua sendo "a completa desnuclearização da península coreana". 

Em abril, o presidente sul-coreano Moon Jae-in, que visitará a Casa Branca em 21 de maio, exortou Biden a dialogar diretamente com Kim sobre a desnuclearização.

Em outro comunicado divulgado neste domingo, a influente irmã do líder norte-coreano, Kim Yo-jong, criticou o recente envio de panfletos hostis a Pyongyang, a partir do Sul, por opositores da Coreia do Norte.

"Observamos estas manobras cometidas por dejetos humanos no Sul como uma grave provocação contra nosso Estado e estudaremos as medidas apropriadas como resposta”, disse Kim.

Os panfletos, enviados por balões infláveis ou por boias em rios da zona desmilitarizada que separam as Coreias, são utilizados há muito tempo por ativistas do Sul para denunciar o regime Kim Jong Un e enviar mensagens aos habitantes do Norte.

Estas práticas irritam Pyongyang, que critica a campanha e, para manter a pressão diplomática, não hesita em suspender um projeto de comunicação na fronteira. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.