Diplomata chinês visitou Coreias para atenuar tensões, diz chanceler

Ação é aparente tentativa de Pequim em mostrar que atende a pressões para intervir na crise

Associated Press

14 de dezembro de 2010 | 08h40

PEQUIM - O ministro de Exteriores da China disse nesta terça-feira, 14, que Pequim enviou um de seus mais qualificados diplomatas para a Península Coreana para atenuar as tensões da região, em uma aparente tentativa de mostrar que o país está atendendo às pressões internacionais para intervir na crise entre as Coreias.

 

Veja também:

video TV Estadão: Roberto Godoy analisa nova crise coreana

blog Radar Global: Veja imagens do ataque norte-coreano

documento Arquivo Estado: O armistício de Pan-Mun-Jon

especial Infográfico: As origens do impasse na península coreana

lista Entenda a crise entre os dois países 

 

De acordo com o chanceler Jiang Yu, ambas as Coreias reafirmaram, durante a visita do diplomata Dai Bingguo à região, a necessidade de fazer com que as tensões não aumentem.

 

"Os dois lados acreditam que os governos devem manter a calma e restringir a realização de exercícios militares, tomar atitudes para evitar a escalada das tensões e desempenhar um papel fundamental para a manutenção da paz e da estabilidade na Península", disse o chanceler chinês.

 

As tensões na Península Coreana voltaram a aumentar quando disparos de artilharia norte-coreanos atingiram a ilha de Yeonpyeong, da Coreia do Sul, no Mar Amarelo, e deixaram ao menos dois soldados e dois civis mortos e dezenas de feridos em novembro. Seul respondeu com mais disparos, mas Pyongyang acusa os sul-coreanos de terem iniciado o conflito.

 

A ação levou vários países ocidentais aliados à Coreia do Sul a condenar a ação norte-coreana. A China, histórica aliada da Coreia do Norte, porém, manteve-se em posição neutra.

 

As Coreias se encontram tecnicamente em conflito desde que a Guerra da Coreia (1950-1953) foi encerrada pelo armistício em vez de um tratado de paz. Desde então, o acirramento das tensões entre as duas nações asiáticas é frequente.

 

Um dos episódios mais recentes dos atritos entre os países foi o afundamento do navio sul-coreano Cheonan. Seul acusa Pyongyang de estar por trás do ataque, que matou 46 marinheiros. A Coreia do Norte, que está sob pressão pelas suspeitas de estar ampliando seu programa nuclear, nega.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.