Diplomata de Israel destrói obra de arte em museu sueco

O governo sueco vai pedir explicações a um diplomata israelense que danificou uma obra de arte exposta num museu de Estocolmo. Zwi Mazel, embaixador de Israel na Suécia, foi convidado a se retirar do Museu Nacional de Antigüidades da Suécia depois de ter atirado um suporte de luz contra a obra que, segundo ele, glorifica os homens-bomba palestinos."Aquilo não era uma obra de arte. Aquilo era uma monstruosidade, uma distorção obscena da realidade", disse Mazel a uma rádio sueca. A obra em questão se chama Snow White and the Madness of Truth (Branco neve e a loucura da verdade).Produzida pelo israelense Dror Feiler, a obra consiste num pequeno navio que carrega uma figura do suicida da Jihad Islâmica Hanadi Jaradat e navega em uma piscina cuja água é vermelha. A idéia, segundo o artista, era mostrar como pessoas fracas e abandonadas se tornam capazes de coisas horríveis. Hanadi morreu e matou 21 outras pessoas num atentado-suicida a bomba em 4 de outubro em Haifa, Israel."Mazel atentou contra a liberdade artística e de expressão que existe na Suécia", disse Feiler. O embaixador terá que explicar seu ato de intolerância ao ministro do exterior sueco na semana que vem. "Nós pediremos uma explicação e, de nossa parte, vamos sustentar que é inaceitável destruir obras de arte desta maneira", disse uma porta-voz do ministro sueco.A exibição está associada a uma conferência sobre como se evitar genocídio a ser promovida em Estocolmo entre os dias 26 e 28.Em Israel, o porta-voz do Ministério do Exterior David Saranga disse que a exibição desrespeitou um entendimento que o Estado judeu tinha com a Suécia de que a conferência não trataria do conflito israelense-palestino. Ele disse que se a Suécia não remover a exibição, Israel não participará da conferência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.