Diplomata europeu é chamado para negociar com Irã

O chefe da diplomacia européia, Javier Solana, disse neste domingo que a comunidade internacional lhe pediu queentre em contato com o negociador iraniano em matéria nuclear, AliLarijani, para tentar reabrir as negociações sobre o programanuclear do país. "Os países que estavam negociando mais de perto com o Irã mepediram que entre em contate com Ali Larijani para ver se podemosencontrar um caminho para as negociações", afirmou Solana em notadepois que o Conselho de Segurança da ONU aprovou por unanimidadeuma resolução que prevê novas sanções contra Teerã se não suspenderdaqui a 60 dias suas atividades de enriquecimento de urânio. Segundo o alto representante da União Européia (UE) para PolíticaExterna e Segurança Comum, a resolução adotada no sábado peloConselho de Segurança da ONU envia um "sinal claro" ao Irã sobre seuprograma nuclear e a necessidade de que cumpra suas obrigaçõesinternacionais. "Continuamos muito preocupados com o programa nuclear iraniano",afirmou Solana, que acrescentou que "as suspeitas que gera afetamnegativamente a estabilidade no Oriente Médio". "Nosso objetivo é mudar isto. Queremos ver um Irã plenamentebem-sucedido e integrado na comunidade internacional", acrescentou. Na nota, Solana reiterou o compromisso a continuar buscando umasolução negociada ao tema nuclear e ressaltou que "o Irã é um paísde enorme potencial do qual somos parceiros naturais". Os seis países que negociam a questão iraniana - os cinco membrospermanentes do Conselho: Estados Unidos, Reino Unido, França, Chinae Rússia, mais a Alemanha - emitiram um comunicado conjunto após avotação na ONU, no qual deixaram claro que as portas do diálogoainda estão abertas. Na declaração, insistiram em que continua sobre a mesa o pacotede incentivos que a comunidade internacional apresentou em junho eque inclui tecnologia nuclear de ponta para uso civil, um reator deágua leve, vantagens econômicas e garantias de segurança regional. Os seis países já encarregaram a Solana no ano passado queliderasse as negociações com o Irã sobre a oferta da comunidadeinternacional. As novas sanções adotadas no sábado se referem à proibição do Irãde exportar armas e ao congelamento de ativos financeiros de 28indivíduos e entidades que estão relacionados com o programa nucleare de mísseis balísticos iraniano, entre eles membros da GuardaRevolucionária da República Islâmica. Além disso, são impostas restrições voluntárias às viagens dosindivíduos submetidos a sanções, à exportação de armas ao Irã e àconcessão de créditos e assistência financeira ao Governo iraniano. Os Estados Unidos e seus aliados consideram que asatividadesnucleares do Irã estão voltadas para a fabricação da bomba atômica,enquanto Teerã insiste em que seu propósito é pacífico, para ageração de eletricidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.