Dida Sampaio/AE
Dida Sampaio/AE

Diplomata que organizou fuga de boliviano será embaixador no Japão

Eduardo Saboia teve seu nome aprovado nesta quarta-feira pelo Senado; com o fim do governo Dilma, ele foi promovido e tornou-se chefe de gabinete no Itamaraty

Lu Aiko Otta / Brasília, O Estado de S.Paulo

06 Junho 2018 | 15h36
Atualizado 06 Junho 2018 | 23h13

Conhecido por haver arquitetado, em 2013, a fuga do ex-senador boliviano Roger Pinto Molina de seu país, o diplomata Eduardo Saboia teve sua indicação para a Embaixada no Japão aprovada nesta quarta-feira pelo Senado por 41 votos a favor e 8 contra.

A indicação foi aprovada após discussão no plenário. A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) criticou a ação de Saboia durante a fuga do boliviano. “Ele respondeu ao inquérito administrativo e, em 2015, foi condenado a um afastamento temporário. Eu lamento que estejamos votando isso no dia de hoje, porque alguém que nunca foi embaixador em lugar nenhum já é indicado para o Japão. Não existe meritocracia”, disse.

O senador Humberto Costa (PT-PE), líder da minoria, foi na mesma linha, dizendo que o diplomata não estaria capacitado “nem do ponto de vista profissional nem da experiência nem do ponto de vista ético”.

O discurso da oposição levou o senador Sérgio Petecão (PSD-AC) a defender o diplomata. “Quero só tentar corrigir essa injustiça. O senador Roger Pinto Molina morou dois anos na minha casa. Eu acompanhei esse senador, que foi perseguido pelo governo Evo Morales, e eu não sei qual o título que nós poderíamos dar ao Eduardo Saboia, mas esse homem merecia um título: esse homem teve a coragem de salvar a vida desse senador”, completou Petecão.

Para o senador Magno Malta (PR-ES), Saboia enfrentou “a truculência do governo Evo Morales”.

O diplomata era ministro-conselheiro da embaixada brasileira em La Paz quando, em 2012, Molina pediu asilo ao Brasil, alegando perseguição pelo regime de Evo Morales. A proteção foi concedida pelo governo brasileiro, mas o senador não obteve da Bolívia o salvo-conduto que lhe permitiria sair do país. Por isso, ele permaneceu 454 dias ocupando uma sala de quatro metros quadrados na Embaixada do Brasil.

+Entrevista: 'Eu não tenho vocação para agente penitenciário', afirma Eduardo Saboia

A situação precária do senador foi repetidamente informada por Saboia a seus superiores em Brasília, mas nada ocorreu. Em agosto de 2013, com o risco de Molina cometer suicídio, o diplomata decidiu agir por conta própria.

Utilizando dois carros com placas diplomáticas, ele viajou com o senador até o Brasil. Na fronteira, o grupo foi resgatado por um avião que o senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) tomou emprestado.

Após a operação, Molina passou a viver em Brasília, onde fez curso de pilotagem e passou a exercer a profissão. Ele morreu em agosto, após cair com um avião nas proximidades de Luziânia (GO).

A fuga provocou a queda do então ministro das Relações Exteriores, Antonio de Aguiar Patriota. Saboia foi alvo de um inquérito administrativo e foi punido com suspensão de 20 dias por quebra de hierarquia.

Dividindo opiniões no Itamaraty, o diplomata passou a trabalhar na Comissão de Relações Exteriores do Senado, então presidida por Aloysio Nunes Ferreira. Nesse posto, ele participou de outro episódio de grande visibilidade: a tentativa fracassada de um grupo de senadores de visitar, na prisão em Caracas, o líder oposicionista Leopoldo López. A comitiva foi barrada na saída do aeroporto.

Relembre: Senador boliviano fala sobre sua fuga

Com o fim do governo de Dilma Rousseff, Saboia foi promovido. Atualmente, é chefe de gabinete no Itamaraty. Aprovado para servir no Japão, Saboia só pretende seguir para lá em 2019, para acompanhar Aloysio até o final de sua gestão. 

Na sabatina, Saboia disse que uma prioridade à frente da Embaixada no Japão será o apoio à comunidade brasileira no País, mais especificamente os problemas da educação. Filhos de brasileiros que emigram para lá acabam numa espécie de "limbo", pois não conseguem acompanhar o sistema educacional japonês, mas tampouco têm domínio do português. Saboia disse que esse é um problema que tem solução, mas que exigirá tempo e uma forte articulação com os governos locais.

O diplomata destacou também a necessidade de avançar na construção de um acordo comercial entre o Mercosul e o Japão. Ele informou que o volume de comércio com o Brasil recuou de US$ 17 bilhões anuais para US$ 9 bilhões em 2017, reflexo da crise econômica aqui e da estratégia japonesa de buscar novos acordos comerciais, que acabaram reduzindo o espaço de produtos brasileiros.

A pergunta mais frequente dos senadores foi sobre a tensão geopolítica na região, por causa do avanço da China e do desenvolvimento de armas nucleares pela Coreia do Norte. Saboia comentou que o Japão tem buscado um equilíbrio nas relações com a China. Se por um lado há tensão no campo político, por outro há um enorme volume de negócios entre empresas dos dois países. Segundo avaliou, uma coisa neutraliza a outra.

Já em relação à Coreia do Norte, ele acredita que o Japão "inevitavelmente" participará das negociações para a desmilitarização do país. Ele observou que, se o desenvolvimento de mísseis é motivo de preocupação dos Estados Unidos, mais ainda é para o Japão, que se encontra nas proximidades. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.