Diplomata saudita é assassinado no Iêmen; autoridades culpam Al Qaeda

Homens armados mataram um diplomata saudita e seu guarda-costas iemenita na capital Sanaa nesta quarta-feira, em um ataque que, segundo forças locais de segurança, parecia ter sido perpetrado pela Al Qaeda.

MOHAMMED GHOBARI, Reuters

28 de novembro de 2012 | 17h01

O assassinato, o mais recente ataque contra autoridades de segurança e políticos no país aliado dos Estados Unidos, reafirma os desafios que o Iêmen enfrenta desde que uma revolta iniciada no ano passado derrubou o presidente Ali Abdullah Saleh.

Os atiradores, que estavam num veículo de quatro rodas, abriram fogo contra um carro que transportava Whaled al-Enizi, um assessor do adido militar saudita, perto de sua casa em um bairro de Sanaa, disse um oficial da segurança iemenita. O diplomata e seu guarda-costas iemenita morreram na hora.

Ninguém assumiu a responsabilidade pelo ataque, mas o oficial disse que as autoridades estavam "assumindo que a Al Qaeda estava por trás disso."

O grupo AQAP, considerado como o mais forte braço da Al Qaeda regional, montou operações na Arábia Saudita e tentou lançar ataques contra os Estados Unidos.

Uma autoridade do Ministério das Relações Exteriores saudita confirmou a morte de Enizi, afirmou a agência estatal de notícias SPA.

(Reportagem adicional de Asmaa Al Sharif)

Tudo o que sabemos sobre:
IEMENDIPLOMATAMORRE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.