AP Photo/Pavel Golovkin
AP Photo/Pavel Golovkin

Diplomatas americanos expulsos deixam embaixada em Moscou

Três ônibus e um micro-ônibus conduziram os representantes e suas famílias ao aeroporto internacional da capital russa no último dia do prazo concedido por Vladimir Putin

O Estado de S.Paulo

05 Abril 2018 | 04h32
Atualizado 05 Abril 2018 | 11h53

MOSCOU – Diplomatas americanos deixaram a embaixada dos EUA em Moscou na manhã desta quinta-feira, 5, no último dia do prazo concedido pelo presidente russo, Vladimir Putin, para a saída do país. Três ônibus e um micro-ônibus levaram os representantes e suas famílias ao aeroporto da capital russa.

+ Ex-espião russo teve contato com agente neurotóxico na porta de casa, diz polícia

+ Chanceler russo sugere que envenenamento de ex-espião poderia beneficiar governo britânico

Na semana passada, Putin determinou a saída de 60 diplomatas americanos como retaliação à expulsão do mesmo número de representantes russos dos EUA. Moscou também anunciou que fechará o consulado americano em São Petersburgo. As medidas elevam a tensão diplomática entre a Rússia e os países ocidentais sobre o envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal e a filha dele, Yulia.

+ Mundo entrará em 'situação de Guerra Fria' se represálias a Moscou continuarem, diz embaixador russo

+ Expulsão de diplomatas é secundária para Putin diante de tragédia

Além dos diplomatas americanos, Putin também ordenou a expulsão de outros 59 representantes de países da União Europeia (UE), além de Austrália e Canadá. 

Nas últimas semanas, os países ocidentais realizaram uma investida contra Moscou em apoio ao Reino Unido e determinaram a saída de mais de 150 diplomatas russos. O Kremlim disse que responderá de forma idêntica a cada sanção aplicada contra o país, sinalizando que mais representantes deverão deixar a Rússia. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.