Diplomatas denunciam ''blecaute midiático''

Fontes diplomáticas disseram ao "Estado" que a capital hondurenha enfrenta cortes intermitentes nos serviços de água e energia elétrica e canais estrangeiros de TV estariam sofrendo interferência sempre que apresentam reportagens sobre o golpe.Pelo menos quatro emissoras de TV, três de rádio e a sede de dois jornais foram ocupadas por militares, de acordo com o porta-voz do governo deposto, Guillermo Paz Manuelles. "Foi uma ação muito violenta. Eles entraram nos edifícios, bateram em funcionários, prenderam pessoas e fecharam as instalações", disse Manuelles.O porta-voz disse ainda que "95% das emissoras hondurenhas ignoraram o golpe e o Canal 6 transmitiu uma programação infantil durante o dia todo".De acordo com relatos da emissora Telesur, que tem no governo venezuelano sua principal fonte de financiamento, uma de suas equipes de reportagem chegou a ser detida ontem em Tegucigalpa. Segundo a enviada especial da emissora a Honduras, Adriana Sívori, ela e outro integrante da equipe foram "sequestrados e agredidos" por militares quando cobriam uma manifestação nas proximidades do palácio presidencial. Os dois detidos foram liberados pouco depois de terem sido levados ao serviço de imigração.

João Paulo Charleaux e EFE, O Estadao de S.Paulo

30 de junho de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.