Diplomatas dos EUA visitam tripulação presa na China

Autoridades diplomáticas dos EUA se reunirão hoje com os tripulantes do avião espião americano que continua retido na base aérea da ilha chinesa de Hainan, no sul do país, depois de realizar uma aterrissagem de emergência, sem autorização do governo chinês, no último domingo. Esta será a segunda vez que representantes do governo americano se encontram com a tripulação do EP-3, composta por 21 homens e três mulheres, desde que aconteceu a aterrissagem de emergência, após a colisão com o caça de interceptação chinês. Ontem, equipes de resgate intensificaram as buscas para tentar localizar no Mar do Sul da China o piloto do caça chinês. O presidente da China, Jiang Zemin, que está fazendo uma viagem pela América Latina, exige que Washington assuma toda a responsabilidade pelo acidente e peça desculpas a Pequim, ao considerar que o vôo de reconhecimento do EP-3 supõe uma ameaça a segurança nacional da China. O presidente dos EUA, George W. Bush ?lamentou? a morte do piloto chinês mas não fez o pedido formal de desculpas, como exige Pequim.Leia Também:China e EUA baixam tom e diplomacia avança Para os "falcões", Bush não pode pedir desculpas Washington prepara lista crescente de represáliasCaça chinês quis ?assustar? avião espião

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.