Jim Huylebroek/The New York Times
Jim Huylebroek/The New York Times

Diplomatas e estrangeiros aguardam saída do Afeganistão no aeroporto de Cabul

A União Europeia, cujos ministros das Relações Exteriores se reunirão na terça-feira, 17, para discutir a situação, destacou que a chegada dos taleban a Cabul tornou 'mais urgente a proteção' a seus funcionários contra possíveis represálias

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2021 | 10h36

A evacuação de diplomatas e outros estrangeiros foi organizada em ritmo desenfreado em Cabul, que caiu nas mãos do Taleban no último domingo, 15, após uma ofensiva militar relâmpago que derrotou as forças armadas afegãs

A União Europeia, cujos ministros das Relações Exteriores se reunirão na terça-feira, 17, para discutir a situação, destacou que a chegada dos taleban a Cabul tornou "mais urgente a proteção" a seus funcionários contra possíveis represálias. 

Militares dos Estados Unidos patrulhavam o aeroporto de Cabul nesta segunda-feira, 16, onde os funcionários de sua embaixada se reuniram para serem evacuados, anunciou o Departamento de Estado. 

Tropas americanas atiraram para o ar para controlar a multidão de afegãos que invadiu a pista na esperança de pegar um voo, em um clima de caos total. 

Os Estados Unidos enviaram 6.000 militares para evacuar cerca de 30.000 diplomatas e cidadãos americanos, além de civis afegãos que cooperaram com eles.

Evacuações 

Muitos outros países também transferiram suas equipes diplomáticas para o aeroporto. 

A Espanha anunciou nesta segunda-feira o envio de dois aviões militares a Dubai para a "primeira fase" de evacuação. 

A Alemanha, segundo fontes parlamentares, quer enviar soldados ao Afeganistão para evacuar seus cidadãos e cerca de 2.000 afegãos e defensores dos direitos humanos.   

O Reino Unido enviou 600 militares para a operação de evacuação. Cerca de 370 cidadãos britânicos chegaram à Inglaterra no fim de semana, segundo o Ministério da Defesa, acrescentando que um grupo de 782 afegãos será evacuado. 

A França começará nesta segunda-feira a retirada de seus cidadãos, funcionários de embaixadas e afegãos sob sua proteção com o apoio de militares destacados nos Emirados Árabes Unidos.

A Irlanda organiza a partida de seus nacionais e emitirá vistos para 45 afegãos. 

A Polônia também emitiu 45 vistos humanitários para afegãos que trabalharam para o país ou para uma delegação europeia em Cabul, e suas famílias. 

Em Praga, um avião militar transportando 46 tchecos e afegãos, incluindo mulheres e crianças, pousou na manhã desta segunda-feira. 

A Suíça evacuou três de seus cidadãos e está organizando a partida de cerca de 40 afegãos e suas famílias. 

O Ministério da Defesa da Itália mencionou a chegada no domingo de um primeiro avião militar para iniciar as operações de "evacuação de emergência". 

A Suécia também informou que entre os evacuados haverá intérpretes afegãos e trabalhadores locais.

Embaixadas fechadas 

O Canadá anunciou na noite de domingo o fechamento temporário de sua embaixada e o retorno de suas equipes para casa. 

Dinamarca e Noruega relataram o fechamento temporário de suas embaixadas em Cabul, enquanto a Finlândia planejava evacuar até 130 trabalhadores afegãos locais. 

A embaixada holandesa em Cabul estava operando no domingo em um escritório improvisado perto do aeroporto. O país evacuará intérpretes e funcionários diplomáticos afegãos. 

Moscou não planeja evacuar sua embaixada. A Rússia é um dos países que recebeu garantias do Taleban quanto à segurança de suas sedes diplomáticas, segundo o responsável pelo Afeganistão no Kremlin, Zamir Kabulov. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.