Dique se rompe e enchentes provocam mais danos nos EUA

Centenas de voluntáriosdepositavam sacos de areia em diques do rio Mississippi, naterça-feira, enquanto as piores enchentes a atingir oMeio-Oeste dos EUA em 15 anos desferiam mais um golpe contra aeconomia norte-americana e o preço mundial dos alimentos. Um dique se rompeu em Gulfport (Illinois), fazendo com quea água barrenta da hidrovia mais importante do país inundasseáreas de cultivo e algumas casas. Ninguém ficou ferido, mas aautoridades fecharam uma ponte que leva a Burlington (Iowa). Os preços do milho e da soja permaneceram perto de níveisrecorde enquanto milhões de acres de plantações perdiam-se ousofriam danos nos EUA, o maior exportador de grãos do mundo. Ospreços da carne também dispararam, já que aumentou o custoenvolvido na criação de gado, porcos e galinhas. "Enfrentamos algumas pressões neste ano, mas pode haver umapressão ainda maior no próximo ano em termos de inflação dosalimentos e isso quando o preço da proteína animal começar acrescer", disse Bill Lapp, consultor do setor alimentício eex-economista-chefe da Consagra. O presidente norte-americano, George W. Bush, prometeuenviar ajuda para a região afetada, onde bilhões de dólares emterras de cultivo e negócios perderam-se. A região ficalocalizada no cinturão dos grãos dos EUA, o que deve colocarmais pressão inflacionária sobre os preços das comidas, docombustível e de outros produtos. "Eu, infelizmente, tive de comparecer a muitos desastresdurante meu mandato presidencial", afirmou Bush após umpronunciamento sobre as enchentes. No entanto, o senador Robert Byrd, um democrata da VirgíniaOcidental, disse que poucas medidas haviam sido adotadas pelogoverno federal para evitar as enchentes e que Bush não tinhaaprendido nada com o furacão Katrina e com outros desastres. "O presidente Bush já declarou que investir nasnecessidades dos EUA é em certa medida 'um desperdício', e seuOrçamento, que não acrescenta um único centavo para a melhoriados diques, reflete essa convicção", disse Byrd. Em Quincy, cidade cuja maior parte fica em um terrenoelevado situado ao lado do Mississippi, autoridades organizaramuma grande operação para evitar o que deve ser o nível recordea ser atingido pelo rio no próximo fim de semana. Em 1993, umdique danificado provocou uma grande enchente. "Temos uma enorme parede de água vindo na nossa direção",afirmou o prefeito da cidade, John Spring. "As enchentes fazemparte da vida das pessoas que moram ao longo do rio. Mas, destavez, estamos mais preparados para isso." Roger Sutter, o encarregado da operação de colocação desacos de areia e construção de diques, disse que essa parte datarefa estava completa, fornecendo uma proteção de cerca demeio metro acima do nível que o rio, segundo previsões,atingiria. Centenas de membros da Guarda Nacional, prisioneiros evoluntários participavam dos esforços de colocação dos sacos deareia, algo que se repetiu em todo o Meio-Oeste --muitas vezessem sucesso. "O que temos de fazer agora é ficar de olho nisso egarantir que não haja nenhum vazamento", acrescentou Sutter. Comparações foram feitas com as grandes enchentes de 1993,que provocaram mais de 20 bilhões de dólares em prejuízos e 48mortes no Meio-Oeste. As enchentes deste mês deixaram algumasmortes, fazendo de Iowa o Estado mais atingido. Mas os danosainda precisam ser calculados. (Reportagem adicional de Lisa Shumaker, Peter Bohan eChristine Stebbins em Chicago e David Alexander em Washington)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.